SIMETRIA E SIMBOLISMO: TORRES GARCÍA, XUL SOLAR E BARNETT NEWMAN*

Mario H. Gradowczyk

Resumo


Seria difícil de encontrar pontos de contato entre essas figuras paradigmáticas: o Uruguai Joaquín Torres García (1876-1949), o argentino Alejandro Xul Solar (1887- 1963) eo norte-americano Barnett Newman (1905-1970). No entanto, por trás de suas diferentes atitudes perante a vida, os três artistas compartilham aspirações espirituais comuns que dão conteúdo universal às suas criações em um período histórico onde a palavra Modernismo foi reconhecida como sinônimo de renovação formal.

Torres García tinha se dedicado para a articulação de uma proposta construtiva com conotações místicas e universais. Em Paris, Torres Garcia consolidou sua mistura especial de Construtivismo. Depois de deixar seu rastro de murais, pinturas, construções com madeira, brinquedos, desenhos, textos programáticos, e seus manifestos na Europa, o artista voltou a Montevidéu. Lá, ele aprofundou seus objetivos pictóricos, publicou a Estrutura e Universalismo Construtivo, ele deu palestras, ele executou murais de grande escala - infelizmente já não na existem - e fundou a EscueladelSur.

Xul Solar, depois de um período de formação numa Europa dividida pela Primeira Guerra Mundial, voltou a Buenos Aires em 1924 e participou do grupo Martin Fierro. Embora sempre pronto para ouvir e compartilhar com os outros as suas cosmogonias, Xul acabou por ser para a maioria de seus contemporâneos, um solitário, um excêntrico, de acordo com a “aparência exótica” com a qual ele protegeu-se a ele mesmo.

Barnett Newman, um dos maiores Norte-Americanos expressionistas abstratos, um estudante de arte arcaica e povos primitivos, expressa com suas telas articuladas com tiras verticais a visão de um artista que recriou em suas [resumo] formas um mundo de símbolos. Ele defendeu o uso de elementos geométricos, mas se opôs aos abstracionistas puros, cujo epítome - de acordo com Newman - foi a produção de Mondrian. Nessa nova pintura, que ele tinha chamado plasmic, porque os elementos plásticosda arte foram convertidos em plasma mental, abstração é o idioma adequado para a visualização de formas e cores que atuam como símbolos para desenhar o observador mais perto de visão do artista.

É impossível confundir a emoção contida em abstrações de Newman com a energia expansiva irradiando de construções de Torres Garcia ou com XulSolarts ideogramas curiosos incorporados em sua linguagem: Neo-creoletão irreverente como é sugestiva; estes expressam gestos e atitudes incomparáveis. O que desejo enfatizar é que a partilha de uma visão cósmica com uma avaliação do mítico e simbólico levou a coincidências importantes entre esses artistas, que até agora não estudado a partir dessa perspectiva, coincidências que reafirmam a importância do compromisso espiritual de um grupo de artistas dentro do movimento moderno.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-864X.1997.2.28274

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-864X | ISSN-L: 0101-4064


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.