A imprensa e a construção da memória do regime militar brasileiro (1965-1985)

Marcos Napolitano

Resumo


Neste artigo, pretendo analisar os editoriais de quatro jornais da grande imprensa (O Estado de São Paulo, Folha de São Paulo, Jornal do Brasil e O Globo) nos aniversários anuais do golpe de Estado de 1964, mapeando as vicissitudes da representação sobre este evento e sobre o regime ditatorial que se seguiu. Nesta perspectiva, pretendo analisar as guinadas e revisões da memória liberal sobre o regime militar, partindo da hipótese que foi esta linhagem ideológica que definiu as bases de uma memória hegemônica sobre o período histórico, calcada na “resistência democrática”.


Palavras-chave


Regime militar: Brasil; Regime militar: memória social; História e Imprensa

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Alzira et al. (Org.). Eles mudaram a imprensa.

Depoimentos ao CPDOC. 2. ed. São Paulo: FGV Editora, 2008 [1. ed.: 2003].

AQUINO, Maria Aparecida. Censura, imprensa, estado autoritário, 1968-1978: o exercício cotidiano da dominação e da resistência. Bauru: Edusc, 1999.

BOSI, Alfredo. A escravidão entre dois liberalismos. Estudos Avançados, v. 2, n. 3, p. 4-39, 1988. Disponível em: https://dx.doi.org/10.1590/S0103-40141988000300002. Acesso em: 03 abr. 2017.

BRESSER-PEREIRA, Luis Carlos. A construção política do Brasil. São Paulo: Editora 34, 2014.

CAPELATO, Maria Helena Rolim. Os Intérpretes das Luzes: Liberalismo e Imprensa Paulista (1920-1945). 1986. Tese (Doutorado em História Social) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1986.

CAPELATO, Maria Helena. Imprensa e História do Brasil. São Paulo: Contexto, 1988.

CAPELATO, Maria Helena; MOTA, Carlos Guilherme. História da Folha de S. Paulo, 1921-1981. São Paulo: Impress, 1981.

CAPELATO, Maria Helena; PRADO, Maria Lígia. O Bravo Matutino – a imprensa e ideologia: o jornal O Estado de S. Paulo. São Paulo: Alfa Ômega, 1992.

CARVALHO, A; CATELA, L. 31 de marzo de 1964 en Brasil: memórias deshilachadas. In: JELIN, Elizabeth (Org.). Las conmemoraciones: las disputas en las fechas in-felices. Madrid, Siglo XXI, 2002. p. 195-242.

CARVALHO, Aloysio Castelo. Rede da Democracia: O Globo, O Jornal e o Jornal do Brasil na queda do governo Goulart (1961-64). Niterói, EDUFF, 2010.

COUTINHO, Carlos Nelson. Marxismo e política: a dualidade de poderes e outros ensaios. São Paulo: Cortez, 1994.

CHAMMAS, Eduardo. A ditadura militar e a grande imprensa. 2012. Dissertação (Mestrado em História Social) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

CHAUI, Marilena. Seminários. Brasiliense, 1980. DUARTE, Celina. Imprensa e redemocratização no Brasil: um estudo de duas conjunturas. 1945 e 1974. Dissertação (Mestrado em História) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1987.

FONSECA, Francisco. Liberalismo Autoritário: discurso liberal e práxis autoritária na imprensa brasileira. São Paulo: Hucitec, 2011.

______. O consenso forjado: A Grande Imprensa e a formação da agenda ultraliberal no Brasil. São Paulo: Hucitec, 2005.

GASPARI, Elio. A ditadura envergonhada. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

GAZZOTTI, Juliana. O Jornal da Tarde e o pós-AI-5: o discurso da imprensa desmistificado. In: MARTINS FILHO, João Roberto (Org.). O golpe de 64 e o regime militar. Novas perspectivas. São Carlos: Edufscar, 2006. p. 67-80.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do Cárcere: Os intelectuais, o princípio educativo, o jornalismo (v. 2). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004. p. 195-214.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado. Contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto/Editora PUC-RJ, 2006.

LESSA, Washington Dias. Amílcar de Castro e a Reforma Gráfica do Jornal do Brasil. In: Dois estudos de comunicação visual. Rio de Janeiro: EDUFRJ, 1995.

LIMA, Gabriel Amato Bruno de. “Aula prática de Brasil”: ditadura, estudantes universitários e imaginário nacionalista no Projeto Rondon (1967-1985). Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2015.

MARTINS FILHO, João Roberto. O palácio e a caserna: a dinâmica militar das crises políticas na ditadura (1964-1969). São Carlos: Editora UFSCAR, 1995.

MATTEUCCI, Nicola. Liberalismo. In: BOBBIO, Norberto et al. (Org.). Dicionário de Política. Brasília: Editora UNB, 1999. p. 687-705.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. As universidades e o regime militar. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2014.

NAPOLITANO, Marcos. História do regime militar brasileiro. São Paulo: Contexto, 2014.

______. Recordar é vencer: as dinâmicas e vicissitudes da construção da memória sobre o regime militar brasileiro. Antíteses, Londrina, v. 8, n. 15, p. 9-44, nov. 2015.

NOVELLI, Ana Lucia. O projeto Folha e a Negação do Quarto Poder. 1994. Mestrado (Comunicação) – Universidade de Brasília, Brasília, 1994.

PONCE, André Luiz Godoy. Florão da América: o projeto do Brasil Grande, a política externa e a diplomacia presidencial durante o regime militar (1964-1973). 2013. Dissertação (Mestrado em História Social) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

REIS FILHO, Daniel A. Ditadura, esquerdas e sociedade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2000.

RIBEIRO, Ana Paula G. Imprensa e história no Rio de Janeiro dos anos 1950. Rio de Janeiro: E-Papers, 2007.

ROLLEMBERG, Denise. O esquecimento das memórias. In: MARTINS FILHO, João Roberto (Org.). O golpe de 64 e o regime militar. Novas perspectivas. São Carlos: Edufscar, 2006. p. 81-92.

SAES, Decio. Classe média e sistema político no Brasil. São Paulo: TA Queiroz, 1985.

SILVA, Eduardo Gomes. A Rede da Democracia e o golpe de 1964. 2008. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2008.

SODRÉ, Nelson Werneck. História da Imprensa Brasileira. Rio de Janeiro: Mauad, 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-864X.2017.2.24766

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-864X | ISSN-L: 0101-4064


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.