Isolados e ilhados: indigenismo e conflitos no Vale do Javari, Amazônia

Barbara Arisi, Felipe Milanez

Resumo


Nesse artigo, pretendemos mostrar como um certo ideal de índio permeia as utopias indigenistas do Estado brasileiro e como a política de isolamento, influenciada por esses ideais, apresenta suas idiossincrasias e contradições. Apresentamos um estudo sobre os conflitos recentes na Terra Indígena Vale do Javari (AM) que levaram à morte violenta de índios Korubo e Matis, considerados pelo governo respectivamente como “isolados” e de “recente contato”. Analisamos a história do conflito a partir das narrativas indigenistas e dos indígenas. Observamos as formas como os servidores da FUNAI procuram ignorar e negar o direito à autodeterminação indígena e como procuram obliterar o papel e a presença do Estado nas relações interétnicas na região. Concluimos que um possível diálogo parece ser o primeiro passo para pôr fim a uma política de “índios ignorados”. O ideal de isolamento não pode se sobrepor à auto-determinação: o conceito é fragilmente sustentado em uma ideia romântica e contraditória de índios que vivem totalmente à margem de processos históricos, como se não sofressem e reagissem às pressões do velho (neo)desenvolvimento promovido pelo Estado e pela presença de frentes expansionistas como madeireiros, construtoras de barragens ou petroleiras.


Palavras-chave


índios isolados; recente contato; indigenismo; Matis; Korubo; Terra Indígena Vale do Javari

Texto completo:

PDF

Referências


AIMA 2015. Carta nº 11/AIMA/2015. Divulgado em 17 de novembro de 2015.

______. Informe 001/AIMA/2015. Divulgado em 2 de dezembro de 2015.

AIMA 2016. Nota Pública. Divulgada em 27 de janeiro de 2016.

______. Informe 001/AIMA/2016. Divulgado em 15 de janeiro de 2016.

______. Nota de Repúdio. Divulgada em 8 de fevereiro de 2016.

ARISI, Barbara M. Matis e Korubo: contato e índios isolados no Vale do Javari, Amazônia. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2007.

______. A Dádiva, a Sovinice e a Beleza: economia da cultura Matis, Vale do Javari, Amazônia. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.

______. La No-Frontera Pano: etnónimos como categorías alternativas y múltiples entre Matis y Korubo. In: Tipití: Journal of the Society for the Anthropology of Lowland South America, v. 10, issue 1, Article 2, p. 19-36, 2012. Available at: http://digitalcommons.trinity.edu/tipiti/vol10/iss1/2.

ARISI, Barbara M.; FRANCISCO, Deise A.; CESARINO, Pedro N. Saúde na Terra Indígena Vale do Javari. Diagnóstico médico-antropológico: subsídios e recomendações para uma política de assistência. São Paulo: ISA/CTI, 2011. Disponível em: https://www.socioambiental.org/banco_imagens/pdfs/saudev02 baixa.pdf

ARISI, Barbara; MILANEZ, Felipe. De índios isolados a ignorados: conflitos no Vale do Javari, AM. In: RODRIGUES, Gilse Elisa; justamand, Michel; CRUZ, Tharcísio Santiago (Org.). Fazendo Antropologia no Alto Solimões: diversidade étnica e fronteira. Embu: Alexa Cultural, 2016. p. 37-65.

BAINES, Stephen G. “É a Funai que sabe”: A frente de Atração Waimiri-Atroari. Col. Eduardo Galvão. CNPq: Museu Paraense Emilio Goeldi, 1991.

BRASIL Estatuto do Índio. Lei n. 6.001 – 19 de dezembro de 1973.

BRASIL, Kátia. Vale do Javari: “Não brigamos por terra com os Korubo, isso é uma invenção da Funai”, diz Marke Matís. In: Amazônia Real, 16 de fevereiro de 2016. Disponível em: http://amazoniareal.com.br/vale-do-javari-nao-brigamos-por-terra-comos- korubo-isso-e-uma-invencao-da-funai-diz-marke-matis/.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela (Org.). História dos Índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

CRUTZEN, Paul J. Geology of Mankind – The Anthropocene. In: Nature, n. 415, p. 23, 2002. https://doi.org/10.1038/415023a

DENEVAN, Willian. The Pristine Myth: The Landscape of the Americas in 1492. Annals of the Association of American Geographers, v. 82, n. 3, The Americas before and after 1492: Current Geographical Research (Sept. 1992), p. 369-385 (Published).

ERIKSON, Philippe. El Sello de los Antepasados. Quito: Abya yala/IFEA, 1999.

______. Bibliografia anotada de fuentes con interés para la Etnologia y Etnohistória de los Pano septentrionales (Matses,Matis, Korubo, ...). In: Amazonía Peruana, tomo XIV, n. 27, p. 231-287, 2000.

FUNAI. Relatório do Centro de Documentação Etnológica, solicitado pelo radiograma no. 45/DGPC, de 22/01/1980 – controle 3902 – sobre os grupos indígenas Maruno, Canamari, Culina, Mayoruna, Matses e maih (sic) – Amazônia Ocidental, Brasília, 1980.

______. Informação nº 331/DID/DGPI/81. Ref: Proc. FUNAI/BSB/1074/80. Ass: Eleição do Parque Indígena do Javari. Brasília, 1981.

______. Relatório de Identificação e Delimitação da Terra Indígena Vale do Javari. GT Portarias nº 174/95 e 158/96, 1989.

FIGUEIREDO, Wellington. Depoimento. In: MILANEZ, F. (Org.). Memórias sertanistas: cem anos de indigenismo no Brasil. São Paulo: Edições Sesc São Paulo, 2015. p. 251-284.

HANNA, Philippe et alli. Improving the effectiveness of impact assessment pertaining to indigenous peoples in the Brazilian environmental licensing procedure. In: Environmental Impact Assessment Review, v. 46, p. 58-67, 2014. https://doi.org/10.1016/j.

eiar.2014.01.005.

HUERTAS CASTILLO, Beatriz. Los Pueblos Indígenas en Aislamiento: su lucha por su sobrevivéncia y la libertad. Copenhague: IWGIA, 2002.

IGLESIAS, Marcelo Piedrafita. Os Kaxinawá de Felizardo: correrias, trabalho e civilização no Alto Juruá. Brasília: Paralelo 15, 2010.

LIMA, Antônio Carlos de Souza. O Grande Cerco de Paz: poder tutelar, indianidade e formação do Estado no Brasil. Rio de Janeiro: Petrópolis: Vozes, 1995.

MILANEZ, Felipe; SHEPARD, Glenn. Esqueça mitos coloniais: Contato dos Xatanawa põe fim a resistência centenária. In: Carta Capital. 07 nov. 2014. Disponível em: http://www.cartacapital. com.br/blogs/blog-do-milanez/esqueca-mitos-coloniais-ocontato-

dos-xatanawa-no-acre-poe-fim-a-uma-resistenciacentenaria-

html.

______. A Tale of Two Contacts: The Government Approach to Isolated Peoples. 2014. Available at: http://indiancountrytoday medianetwork.com/2014/09/19/tale-two-contacts- overnmentapproach- isolated-peoples-156935.

MILANEZ, Felipe (org). Memórias sertanistas: cem anos de indigenismo no Brasil. São Paulo: Edições Sesc São Paulo, 2015.

______. Marãiwatséde: Retorno à Mata Misteriosa. In: Brasil Indígena (Brasília: Funai), ano III, n. 2, p. 32-38, 2006.

MOORE, Jason W. The Capitalocene, Part I: On the Nature and Origins of Our Ecological Crisis (Mimeo). Fernand Braudel Center, Binghamton University, 2014.

OLIVEIRA, João P. Pacificação e tutela militar na gestão de populações e territórios. In: Mana. v. 20, n. 1, p. 125-161, 2014.

POSSUELO, Sydney. Depoimento. In: MILANEZ, F. (Org.). Memórias sertanistas: cem anos de indigenismo no Brasil. São Paulo: Edições Sesc, 2015. p. 213-250.

RAMENOFSKY, Ann e GALLOWAY, Patricia. Disease and the Soto Entrada. In: GALLOWAY, P. (Org). The Hernando de Soto Expedition: History, Historigraphy and “Discovery” in the Southeast. Lincoln: University of Nebraska Press, 2006.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1995.

______. Os índios e a civilização. São Paulo: Cia das Letras, 1996.

SHEPARD, Glenn H. Jr. Los grupos indígenas aislados del Río Piedras. Report (mimeo). 1996.

______. Ceci N’est Pas un Contacte: the Fetishization of Isolated Indigenous People Along the Peru-Brazil Border. In: Tipití: Journal of the Society for the Anthropology of Lowland South America, v. 14, issue 1, Article 8, p. 135-137, 2016. Disponível em: http:// digitalcommons.trinity.edu/tipiti/vol14/iss1/8.

STEFFEN, Will et al. Review. The Trajectory of the Anthropocene: the great acceleration. In: The Anthropocene Review, v. 16, p. 81-98, Jan. 2015.

VAZ, Antenor. A que será que se destinam? In: Le Monde Diplomatique. São Paulo, 04 de agosto de 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-864X.2017.1.24482

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

e-ISSN: 1980-864X | ISSN-L: 0101-4064

Capes65Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios - www.publicationethics.org

Apoio MEC/CAPES: Beneficiados pelo Edital Nº 013/2016.
Apoio MCTI/CNPq: Beneficiados pelo Edital Nº 25/2016.
Apoio MCTI/CNPq: Beneficiados pelo Edital Nº 24/2015.
Apoio MCTI/CNPq/MEC/CAPES: Beneficiados pelo Edital Nº 09/2012.
Apoio MCTI/CNPq/MEC/CAPES: Beneficiados pelo Edital Nº 15/2011.

PROEX –  2012/2013

AVALIAÇÃO QUALIS CAPES - 2016 
ÁREA CAPES - História
CLASSIFICAÇÃO - A2

INDEXADORES E PORTAIS

  • Web of Science - Master Journals List (Clarivate Analytics)
  • SSCI - Social Sciences Citation Index (Clarivate Analytics)
  • AHCI - Arts and Humanities Citation Index (Clarivate Analytics)
  • Scopus (Elsevier)
  • SJR - ScIMAGO Journal & Country Rank (Elsevier)
  • Historical Abstracts with Full Text (EBSCO)
  • Academic Search Premier (EBSCO)
  • Fonte Acadêmica (EBSCO)
  • Fuente Academica (EBSCO)
  • CLASE - Citas Latinoamericanas en Ciencias Sociales y Humanidades
  • DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • LATINDEX - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal
  • REDALYC - Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal
  • Portal CAPES

FATOR DE IMPACTO NO SJR (SCImago Journal & Country Rank)

SCImago Journal & Country Rank

Licença Creative Commons OriginalityCheck®
Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional. 
TurnITin
Todos os artigos são submetidos ao software Turnitin, antes de iniciar qualquer tipo de avaliação.
Diadorim  Open Access 
Diretório de Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul. 
 

Copyright: © 2018 EDIPUCRS