A reforma agrária nos campos do sul de Portugal (1975): uma revolução na revolução

Raquel Varela, Constantino Piçarra

Resumo


Realizado a 25 de abril de 1974, depressa o golpe de Estado que derruba a ditadura origina um processo revolucionário no âmbito do qual, no sul de Portugal, a agudização da luta por melhores salários, condições de trabalho e garantia de emprego, entre assalariados rurais, com especial realce para os temporários, e os empresários agrícolas, dá lugar a um poderoso movimento de ocupações de terras, fato que torna realidade a reforma agrária, cujo enquadramento legal só vem a surgir na vigência dos IV e V Governos Provisórios liderados por Vasco Gonçalves, tendo Fernando Oliveira Baptista na pasta da Agricultura. Neste processo de ocupações de terras, que se desenrola ao longo do ano de 1975, definem-se três fases, as quais se caracterizam em articulação com o andamento da situação política do país e, por conseguinte, com a política agrária do Estado ao longo deste período. Utilizamos uma ampla gama de fontes, algumas inéditas como a documentção dos partidos políticos, as fontes dos sindicatos e comissões de trabalhadores, as disposições legais referentes ao processo e o arquivo de imagem da televisão pública RTP. Destacamos neste artigo duas conclusões principais a partir da investigação que levamos a cabo: 1) a reforma agrária é um processo que se inicia por ocupações espontâneas de terras e os partidos políticos irão responder a este processo tentando dirigi-lo; 2) a reforma agrária é determinada por um modelo assente em unidades coletivas de produção e na maximização do emprego.


Palavras-chave


Portugal; reforma agrária; partido comunista; propriedade

Texto completo:

PDF

Referências


BAPTISTA, Fernando Oliveira. O 25 de abril, a sociedade rural e a questão da terra. In: BRITO, José Maria Brandão. (Dir.). O País em Revolução. Lisboa: Editorial Notícias, 2001. p, 133-207.

______. Portugal 1975 – Os Campos. Porto: Edições Afrontamento, 1978.

______. Trabalhadores agrícolas e agricultores familiares – dez anos de factos, debates e projectos. Revista Crítica de Ciênncias Sociais, n. 18/19/20, p. 411-450, 1986.

BARRETO, António. Anatomia de uma Revolução: a reforma agrária em Portugal, 1974-1976. Mem Martins: Publicações Europa-América, 1987.

______. O Estado e a Reforma Agrária: 1974-1976. Análise Social, n. 77/78/79, p. 513-575, 1983.

______. Classe e Estado: os sindicatos na reforma agrária. Análise Social, n. 80, p. 41-96, 1984.

BARROS, Afonso de. Do Latifúndio à Reforma Agrária: o caso de uma freguesia do Baixo Alentejo. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1986.

CALDAS , João Castro. Terra e Trabalho. Oeiras: Celta, 2001.

CARVALHO, Lino de. Reforma Agrária: da utopia à realidade. Porto: Campo das Letras, 2004.

CUNHAL, Álvaro. Discurso na I Conferência de Trabalhadores Agrícolas do Sul. 9 de Fevereiro de 1975. In: CUNHAL, Álvaro. Discursos Políticos (3). Lisboa: Avante!, 1975.

PIÇARRA, Constantino. As ocupações de terras no Distrito de Beja, 1974-1975. Coimbra: Almedina, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-864X.2016.3.22985

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

ATENÇÃO

Sistema em manutenção

Migração do sistema OJS para a versão 3.0. Durante este período os usuários:

  • Poderão acessar todo o conteúdo já publicado
  • Não poderão efetivar encaminhamentos do fluxo editorial (submissão, avaliação, publicação)

Previsão: 06/07/2020


e-ISSN: 1980-864X | ISSN-L: 0101-4064


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.