Cicatrizes da memória: fotografias de desaparecidos políticos em acervos de museus

Maria Letícia Mazzucchi Ferreira, Francisca Ferreira Michelon

Resumo


A partir das relações entre imagem e presentificação, o texto analisa os sentidos que os retratos de vítimas das ditaduras apresentam quando são instituídos como acervos museológicos. Na análise, consideram-se dois aspectos: a condição documental da fotografia e o processo de musealização do documento ao ser exposto. A trama da análise centra-se nos conceitos de memória. Por meio deles, verifica-se um campo de relações em que o apelo ao sentido temporal da indissociabilidade passado-presente e a expressão de uma violência inesquecível somam-se na figuração de certa continuidade. Desse modo, entende se a fotografia como uma prática discursiva que, no lugar museu (instituição de memória), instala-se como cicatriz: uma marca de sofrimento.


Palavras-chave


Museus de memória; fotografia; direitos humanos.

Texto completo:

PDF

Referências


BARTHES, Roland. A câmara clara. Nota sobre a fotografia. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

BORGES, Jorge Luis. Lenda. Elogio da Sombra. Obras Completas de Jorge Luis Borges. São Paulo: Globo, 1999. v. 2.

CANDAU, Joel. Memória e Identidade. São Paulo: Contexto, 2011.

CATELA, Ludmila S. Situação limite e memória: a reconstrução do mundo dos familiares dos desaparecidos da Argentina. São Paulo: Hucitec/Anpocs, 2001.

CHABABO, Rubén. Norberto Púzzolo: antes y después del naufrágio-Catálogo de la muestra Evidencias. Rosario: Museo de la Memoria, 2012.

DAVALLON Jean. Le musée est-il vraiment un média? Publics et Musées. Nº 2. Presses Universitaires de Lyon, 1992. p. 99-123.

DEBARY, Octave; ROUSTAN, Mélanie. Voyage au musée du Quai Branly. Anthropologie de la visite du plateau des collections. Paris: La Documentation Française, 2012.

DIDI-HUBERMAN, George. Imágenes pese a todo: Memoria Visual del Holocausto. Barcelona: Paidós Ibérica, 2004.

FERRARIO, Elbio. Da luta pela liberdade, democracia e justia social. In: BEZERRA, Rafael Zamorano; CHAGAS, Mário; BENCHETRIT, Sarah. (Org.). A democratização da memória: a função social dos museus ibero-americanos. Rio de Janeiro: Museu Histórico Nacional, 2008. v. 1, p. 53-70.

FLEURY, Béatrice; WALTER, Jacques. Memorias de la piedra-Ensayos en torno a lugares de detención y massacre. Buenos Aires: Ejercitar la memoria Editores, 2011.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, 1991.

HUYSSEN, Andreas. En busca del futuro perdido. Cultura y memoria en tiempos de globalización. Buenos Aires: Fondo de Cultura Economia, 2007.

LEWIS, C. S. As crônicas de Nárnia. O sobrinho do mago. São Paulo: Martins Fontes, 2002. v. 1.

MARCHESI, Aldo. Tupamaros et dictatures. Vingtième Siècle – Revue d’histoire, n. 105, p. 57-69, 2010.

PADRÓS, Enrique Serra. Como el Uruguay no hay... Terror de Estado e Seguranca Nacional, Uruguay (1968-1985): do Pachecato a Ditadura Civil-Militar. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005. Tomo I.

RANCIÈRE, Jacques. Estética e Política. A Partilha do Sensível. Porto: Dafne, 2010.

RICOEUR, Paul. A memória, a história e o esquecimento. Campinas: Ed. Unicamp, 2007.

ROMERO, Luis Alberto. História contemporânea da Argentina. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2006.

RUSSIO, W. A interdisciplinaridade em Museologia (1981). In: BRUNO, M. C. O.

(Org.). Waldisa Rússio Camargo Guarnieri: textos e contextos de uma trajetória profissional. Sã o Paulo: Pinacoteca do Estado; Secretaria de Estado da Cultura; Comite Brasileiro do Conselho Internacional de Museus, 2010. v. 1, p. 123-126.

SCHINDEL, Estela. Inscribir el pasado en el presente: memoria y espacio urbano. Políticas culturales, México, n. 31, enero 2009. Disponível em:

nrm=iso>. Acesso em: 10 maio 2015.

SERÉN, Maria do Carmo (Introd.). Murmúrios do tempo. 2. ed. Porto: CPF, 2002.

VEZZETTI, Hugo. Pasado y presente: Guerra, dictadura y sociedad en la Argentina. Buenos Aires: Siglo XXI, 2002

VIOLI, Patrizia. Quand l’art rencontre la mémoire. Le musée pour la Mémoire d’Ustica par Christian Boltanski. Actes Sémiotiques, n. 118, 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1980-864X.2015.1.20716



e-ISSN: 1980-864X | ISSN-L: 0101-4064


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.