Etnografia de práticas de serviço social: fenomenologia, holismo e poder / Ethnography of social service practices: phenomenology, holism and power

Telmo Humberto Lapa Caria, Octávio José Rio do Sacramento, Pedro Gabriel Silva

Resumo


Com base numa etnografia realizada profissionais de Serviço Social em diversos serviços de protecção social e de desenvolvimento social local no norte de Portugal, o artigo propõe uma reflexão crítica sobre os limites do holismo etnográfico e evidencia  as possibilidades da abordagem fenomenológica, considerando para tal os processos intersubjectivos e de poder inerentes à compreensão cultural. O acompanhamento destas profissionais no terreno, em contextos de trabalho, permitiu-nos compreender, a partir de uma perspectiva fenomenológica, como as mesmas constroem, mobilizam e recontextualizam o saber profissional no decurso das práticas e interacções dos seus quotidianos laborais. Por outro lado, mostrou-nos como as dinâmicas interaccionais entre quem faz a etnografia e os sujeitos sob observação fomentam processos de reflexão e de compreensão entre estes últimos que se entrecruzam com incrementos de estatuto e poder, não só no quadro da relação etnográfica, mas também no âmbito das relações com demais actores da ecologia profissional.

Palavras-chave


Etnografias profissionais; Holismo; Fenomenologia; Poder; Serviço Social

Texto completo:

PDF

Referências


AMENDOEIRA, J. A formação em enfermagem: que conhecimentos? que contextos? Um estudo etno-sociológico. 1999. Dissertação (Mestrado) – FCSHUL, Lisboa.

BAUMAN, Z. Liquid modernity. Cambridge: Polity Press, 2000.

BECK, U.; BECK-GERNSHEIM, E. Individualization. London: Sage, 2002.

CARIA, T. H. A Cultura profissional dos professores: o uso do conhecimento em contexto de trabalho na conjuntura da reforma educativa dos anos 90. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2000.

______. Saber Profissional. Coimbra: Almedina, 2005.

______. A mobilização de conhecimento em situação de trabalho profissional", In: V. Fartes e R. G. S. Maria (Eds.), Currículo, Formação e Saberes Profissionais: a revalorização epistemológica da experiência. Salvador: Editora EDUFBA, p. 126-148, 2010.

______. Perspetivar a intervenção social: reflexões e dados sobre o trabalho Profissional e o uso do método etnográfico no terceiro sector", In: P. G. Silva, O. Sacramento e J. Portela (Eds.), Etnografia e Intervenção Social. Lisboa: Colibri, p. 271-296, 2011.

______. O trabalho profissional burocrático: modelo de análise sobre a profissionalização do trabalho social em organizações do sector não lucrativo em Portugal. Dados, revista de Ciências Sociais, vol. 56, no 4, p. 803-839, 2013.

______. O uso do método etnográfico no estudo do trabalho e do conhecimento profissionais". In: L. Torres e J. Palhares (Eds.), Metodologias de Investigação em Ciências Sociais da Educação. Famalicão: Húmus, p. 39-64, 2014.

CARIA, T. H.; PEREIRA, F. Aplicação do modelo de análise do trabalho profissional burocrático ao trabalho social no terceiro sector", In: T. H. Caria e F. Pereira (Eds.), O Trabalho Social Profissional No Terceiro Sector. Viseu, Psicosoma, p. 63-95, 2014ª.

CARIA, T. H.; PEREIRA, F. O trabalho social profissional no terceiro sector. Viseu: Psicosoma, 2014b.

CARIA, T. H. e PEREIRA, F. Social work like as a bureaucratic professional labour: an empirical analysis In non-profit organizations in northern Portugal. European Journal of Social Work, vol. 19, no 1, p. 120-139, 2016.

CARIA, T. H.; PEREIRA F. (Eds), Saber profissional em Serviço Social: uma perspetiva etnográfico-situacional. Viseu, Psicosoma, 2017.

CLIFFORD, J. A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: UFRJ, 2008.

______. Fieldwork, reciprocity, and the making of ethnographic texts: the example of Maurice Leenhardt. Man, v. 15, n. 3, p.518-532, 1980. https://doi.org/10.2307/2801348.

CLIFFORD, J.; MARCUS, G. (Eds.). Writing culture: the poetics and politics of ethnography. Berkeley: California University Press, 1986.

CSORDAS, T. Embodiment as a paradigm for anthropology. Ethos, v. 18, n. 1, p.5-47, 1990. https://doi.org/10.1525/eth.1990.18.1.02a00010.

DESJARLAIS, R.; THROOP, C. J. Phenomenological approaches in anthropology. Annual Revue of Anthropology, n. 40, p.87-102, 2011. https://doi.org/10.1146/annurev-anthro-092010-153345.

DODIER, N. Les appuis conventionnels de l’action: éléments de pragmatique sociologique. Réseaux, n. 62, p.63-95, 1993. https://doi.org/10.3406/reso.1993.2574.

DURANTI, A. Husserl, intersubjectivity and anthropology. Anthropological Theory, n. 10, p.16-35, 2010. https://doi.org/10.1177/1463499610370517.

FABIAN, J. Memory against culture: arguments and reminders. Durham: Duke University Press, 2007.

FARTES, V. A recontextualização do conhecimento profissional no trabalho de controladores de processos na indústria petrolífera e de gás do Brasil. In: CARVALHO, T.; SANTIAGO, R.; CARIA, T. H. (Eds.). Profissionalismo e sociedade do conhecimento: tendências, problemas e perspectivas. Porto: Afrontamento, 2012. p.81-96.

FILIPE, J. P. Narratividade, reflexividade e legitimidade em educação especial. In: CARIA, T. H. (Org.). Saber profissional. Coimbra: Almedina, 2005. p.93-139.

GIDDENS, A. Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2002.

GRANJA, B. Identidade e saber dos Assistentes Sociais. 2008. Tese (Doutoramento) - Instituto de Ciências Biomédicas, Universidade do Porto, Porto.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2007.

HALLOWELL, A. Culture and experience. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 1955. https://doi.org/10.9783/9781512816600.

HANNERZ, U. Being there... and there... and there! Reflections on multi-site ethnography. Ethnography, n. 4, p.201-216, 2003. https://doi.org/10.1177/14661381030042003.

HENRY, R. Confronting ethnographic holism: field site or field of sociality? Canberra Anthropology, v. 22, n. 2, p.51-61, 1999. https://doi.org/10.1080/03149099909508348.

HUSSERL, E. Ideas pertaining to a pure phenomenology and to a phenomenological philosophy: studies in the phenomenology of constitution. Dordrecht: Kluwer Academic, 1989. https://doi.org/10.1007/978-94-009-2233-4.

______. Ideas: general introduction to pure phenomenology. Oxon and New York: Routledge, 2012.

JACKSON, M. (Ed.). Things as they are: new directions in phenomenological anthropology. Bloomington: Indiana University Press, 1996.

KANT, I. Crítica da razão pura. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 1989.

LASH, S. La reflexividad y sus dobles: estructura, estética, comunidad. In: BECK, U.; GIDDENS, A.; LASH, S., Modernización reflexiva: política, tradición y estética en el orden social moderno. Madrid: Alianza, 2001. p.137-207.

LEHN, D.; HITZLER, R. Phenomenology-based ethnography: introduction to the special Issue. Journal of Contemporary Ethnography, v. 44, n. 5, p.539-543, 2015. https://doi.org/10.1177/0891241615595436.

LOPES, D. Números em foco: sobre a gestão de risco no sector da banca de retalho. In: CARIA, T. H.; FARTES, V.; LOPES, A. Saber e formação no trabalho profissional relacional. Salvador: Edufba, 2013. p.99-116.

LOUREIRO, A. O trabalho e o saber dos profissionais-técnicos de educação e formação de adultos. In: CARIA, T. H. (Org.). Saber profissional. Coimbra: Almedina, 2005. p.169-196.

LUFT, S. Husserl’s theory of the phenomenological reduction: between life-world and cartesianism. Research in Phenomenology, n. 34, p.198-234, 2004. https://doi.org/10.1163/1569164042404518.

MALINOWSKI, B. Argonauts of the western pacific. Londres: Routledge, 2002. https://doi.org/10.4324/9780203421260.

MARCUS, G. Au-delà de Malinovky et après writing culture: à propos du futur de l’anthopologie culturelle et du malaise de l’ethnographie. Ethnographiques, n. 1, 2002. Disponível em: Acesso em: Abril 2002.

______. Ethnography in/of the world system: the emergence of multi-sited ethnography. Annual Revue of Anthropology, n. 24, p.95-117, 1995.

MARCUS, G.; CUSHMAN, D. Ethnographies as texts. Annual Revue of Anthropology, n. 11, p.25-69, 1982. https://doi.org/10.1146/annurev.an.11.100182.000325.

MERLEAU-PONTY, M. Phénoménologie de la perception. Paris: Gallimard, 1945.

MONTES, V. A. Os saberes profissionais do guia de turismo em situação de trabalho. 2013. Tese (Doutoramento) - Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia, Salvador.

OTTO, T.; BUBANDT, N. (Eds.). Experiments in holism: theory and practice in contemporary anthropology. Chichester-Oxford: Wiley-Blackwell, 2010. https://doi.org/10.1002/9781444324426.

PEREIRA, F. Os saberes profissionais-técnicos em associações e cooperativas agrárias. In: CARIA, T. H. (Org.). Saber profissional. Coimbra: Almedina, 2005. p.141-167.

PINK, S.; MORGAN, J. Short-term ethnography: intense routes to knowing. Symbolic Interaction, v. 36, n. 3, p.351-361, 2013. https://doi.org/10.1002/symb.66.

QUÉRÉ, L. La cogntion comme action incarnée. In: PHARO, P.; BOUVIER, A.; BORZEIX, A. Sociologie et connaissances. Paris: CNRS Editions, 1998. p.143-164.

QUÉRÉ, L.; SCHOCH, C. The still neglected situation? Réseaux, v. 6, n. 2, p.223-253, 1998. https://doi.org/10.3406/reso.1998.3344.

RABINOW, P. Discourse and power: on the limits of ethnographic texts. Dialectical Anthropology, v. 10, n. 1-2, p.1-13, 1985. https://doi.org/10.1007/BF00244246.

RAMOS, M. O estudo dos saberes profissionais na perspectiva etnográfica: contribuições teórico-metodológicas. Educação em Revista, v. 30, n. 4, p.105-125, 2014. https://doi.org/10.1590/S0102-46982014000400006.

SANTOS, A. Q. Itinerâncias rizoéticas: saberes e formação docente na educação profissional e tecnológica, 2012. Tese (Doutoramento) - Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador.

SCHUTZ, A. The problem of social reality. The Hague: Martinus Nijhoff, 1962.

THORNTON, R. The rhetoric of ethnographic holism. Cultural Anthropology, v. 3, n. 3, p.285-303, 1988. https://doi.org/10.1525/can.1988.3.3.02a00050.

TUFFORD, L. Bracketing in qualitative research. Qualitative Social Work, v. 11, n. 1, p.80-96, 2012. https://doi.org/10.1177/1473325010368316.

TURNER, V.; BRUNER, E. (Eds.). The anthropology of experience. Urbana-Champaign: University of Illinois Press, 1986.

WEBER, M. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Brasília: UNB, 1991.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1677-9509.2018.2.29974


Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Textos & Contextos (Porto Alegre)
eISSN: 1677-9509
DOI: 10.15448/1677-9509
Avaliação do Qualis CAPES - 2016
Área Capes - Serviço Social
Classificação: A2
E-mail: textos@pucrs.br
 
 
Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul
 
 
Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS