Nova Previdência: o austericídio neoliberal sob a ótica da teoria marxista da dependência

Marcos Pereira Diligenti, Ricardo Souza Araujo

Resumo


O presente artigo propõe uma retomada às raízes da Teoria Marxista da Dependência (TMD) como vertentes do pensamento marxista dedicadas a contribuir para explicar o processo do desenvolvimento capitalista em economias dependentes, em especial, na América Latina. Valendo-se do método dialético e das categorias econômicas desenvolvidas em O Capital, Rui Mauro Marini, junto a outros autores, fundam um arcabouço teórico-explicativo para a realidade das economias periféricas, sem cair em um revisionismo simplificador. Portanto, com o intuito de aprofundar essa reflexão, apresentam-se neste trabalho, os principais conceitos da Teoria Marxista da Dependência como particularidades da reprodução do capital na América Latina. Posteriormente, utilizamos esses fundamentos interpretativos para esclarecer o austericídio verificado no Brasil hoje, no sentido de legitimar a contemporaneidade da TMD e o seu potente vetor interpretativo e transformador em tempos de crise estrutural do capital, examinando um conjunto de contrarreformas em andamento e a serem implementadas, a saber: o Novo Regime Fiscal, a Reforma Trabalhista e a “Nova Previdência”. 


Palavras-chave


Teoria Marxista da Dependência. Neoliberalismo. Austericídio. Brasil.

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, Ricardo. Inglaterra e Brasil: duas rotas do social-liberalismo em duas notas currículo sem fronteiras, Currículo sem Fronteiras, [s. l.], v. 13, n. 2, p. 204-212, maio/ago. 2013.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS AUDITORES-FISCAIS DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL/ANFIP. Fundação ANFIP de estudos tributários da seguridade social. Análise da seguridade social 2016. Brasília: ANFIP, 2017. https://doi. org/10.11606/d.2.2006.tde-19052010-110621

AUDITORIA CIDADÃ DA DÍVIDA. Números da dívida: Auditoria Cidadã da Dívida. Brasília, 2019. Disponível em: http://www.auditoriacidada.org.br/blog/2013/08/30/numeros-da-divida/. Acesso em: 3 fev. 2019 https://doi.org/ 10.30620/p.i..v7i2.4502

BANCO MUNDIAL. Envejecimentos sin crisis: políticas para la proteccíon de los ancianos y la promoción del crescimiento. Washington: Banco Mundial, 1994. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=10638617. Acesso em: 1 nov. 2018. https://doi.org/10.1596/978-9-5883-0787-9

BRASIL. [Constituição Federal (1988)]. Brasília, DF, out. 1988.

BRASIL. Lei nº 13.467, de 13 de julho de 2017. Institui a Reforma Trabalhista. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 2.200-2 de 24/08/2001, p. 63, jul. 2017. Portaria nº 889. http://dx.doi.org/10.22420/rde.v11i20.774

BRASIL. Proposta de Emenda à Constituição n. 06/2019: Modifica o sistema de previdência social, estabelece regras de transição e disposições transitórias, e dá outras providências. Disponível em: https://www.camara.leg.br/ proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=2192459. Acesso em: 02 set. 2019.

CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL – CFESS (Brasil). Código de Ética Profissional dos Assistentes Sociais. Brasília, DF, 1993.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. O governo Dilma frente ao “tripé macroeconômico” e à direita liberal e dependente. Novos estudos CEBRAP, São Paulo, n. 95, p. 5-15, mar. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/nec/n95/01.pdf. Acesso em: 15 mar. 2018. https://doi.org/10.1590/s0101-33002013000100001

CHESNAIS, F. O Capital portador de juros: acumulação, internacionalização efeitos econômicos e políticos. In: CHESNAIS, F. (org.). A finança mundializada: raízes sociais e política, configuração e consequências. São Paulo: Boitempo, 2005.

CORREA, B. Simulacro de aprendizagem e precarização do trabalho: dimensões da utilização dos estágios não-obrigatórios no Rio Grande do Sul em tempos de acumulação flexível. 2009. 78 f. Monografia – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009. https://doi. org/10.29289/259453942018v28s1059

CORREA, B. A Importância Histórica Da Batalha Pela Previdência Social. Movimento: crítica, teoria e ação, [São Paulo], mar. 2019. Disponível em: https://movimentorevista.com.br/2019/03/a-importancia-historica-da-batalha-pelaprevidencia-social/. Acesso em: mar. 2019.

DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTUDOS SÓCIO-ECONÔMICOS – DIESSE. Salário Mínimo. São Paulo: DIEESE, [2017]. Disponível em: https://www.dieese.org.br/analisecestabasica/salarioMinimo.html. Acesso em: nov. 2018. http://dx.doi. org/10.1590/S0102-88392002000300008

FERNANDES, Florestan. Processo constituinte. Brasília: Câmara dos Deputados, 1988. (Separatas de discursos, pareceres e projetos. 48ª Legislatura. 2ª Sessão Legislativa, 26).

FERNANDES, Florestan. In: IANNI, Otávio (org.). Florestan Fernandes: sociologia crítica e militante. São Paulo: Expressão popular, 2004.

FERREIRA, Carla; OSORIO, Jaime; LUCE, Mathias. Padrão de reprodução do capital: contribuições da teoria marxista da dependência. São Paulo: Boitempo, 2012.

GUNDER FRANK, Andre. America Latina: subdesarrollo o revolución. Mexico: Ediciones Era, 1973.

HARVEY, D. A Loucura da Razão Econômica. São Paulo; Boitempo, 2018.

IAMAMOTO, Marilda Villela. Serviço Social em tempo de capital fetiche: capital financeiro, trabalho e questão social. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2008. https://doi.org/10.5433/1679-4842.2018v21n1p183

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa Mensal de Emprego: Série Histórica. [S. l.]: IBGE, [2017?]. Disponível em: https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/trabalhoerendimento/pme/pmemet2.shtm. Acesso em: mar. 2019. https://doi.org/10.17143/ciaed/xxiilciaed.2017.00322

LEITE, M. G. O Processo de Financeirização do Segmento da Previdência Complementar Privada. In: MARQUES, R.; FERREIRA, M. (org). O Brasil sob a nova ordem: a economia brasileira contemporânea: uma análise dos governos Collor a Lula. São Paulo: Saraiva, 2010.

LUCE, Mathias. Teoria marxista da dependência: problemas e categorias; uma visão histórica. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

MARINI, Ruy Mauro. Dialética da dependência. Petrópolis: Vozes, 2000.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. São Paulo: Boitempo, 2013.

MELCHIONNA, Fernanda. Fundos de pensão diante da mundialização financeira: o caso da previ entre 2003 a 2010. 2012. 79 f. Trabalho de conclusão de curso (Especialização) – Faculdade de Porto Alegre/FAPA, Porto Alegre, 2012. https://doi.org/10.22456/2177-0018.87833

MOTA, Ana E. Redução da pobreza e aumento da desigualdade: um desafio teórico político para o serviço social brasileiro. In: Ana Elizabete (org.). Desenvolvimentismo e construção de hegemonia: crescimento econômico e reprodução da desigualdade. São Paulo: Cortez, 2012. p. 29-45.

PAIVA, Beatriz; OURIQUES, Nildo. Uma perspectiva latino-america-na para as políticas sociais: quão distante está o horizonte? Katálysis, Florianópolis, v. 9, n. 2, p. 166-175, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rk/v9n2/ a04v09n2. Acesso em: 10 mar. 2018. https://doi.org/10.1590/s1414-49802006000200004

SALVADOR, Evilasio. O desmonte do financiamento da seguridade social em contexto de ajuste fiscal. Serviço Social e Sociedade, São Paulo, n. 130, p. 426-446, set./dez. 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sssoc/n130/0101-6628sssoc-130-0426.pdf. Acesso em: 2 nov. 2017. https://doi.org/10.1590/0101-6628.117

SAMPAIO Jr., Plínio de Arruda. Crônica da Crise Anunciada. São Paulo: SG-Amarante, 2017. SANTOS, J. S. Particularidades da “questão social” no capitalismo brasileiro. 2008. 222 f. Tese (Doutorado) – Escola de Serviço Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2008. https://doi.org/10.5753/ersirj.2018.4649

SENADO FEDERAL. Agência Senado (Brasil.) Empresas privadas devem R$ 450 bilhões à Previdência, mostra relatório final da CPI. Da redação, Brasília, 23 out. 2017. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2017/10/23/ empresas-privadas-devem-r-450-bilhoes-a-previdencia-mostra-relatorio-final-da-cpi. Acesso em: nov 2018.

SOTELO VALENCIA, Adrián. A reestruturação do mundo do trabalho: superexploração e novos paradigmas da organização do trabalho. Uberlândia: EDUFU, 2009. https://doi.org/10.14393/edufu-978-85-7078-226-7

TEIXEIRA, Etevaldo. A reforma trabalhista após 6 meses. Movimento: crítica, teoria e ação. [São Paulo], jun. 2018. Disponível em: https://movimentorevista.com.br/2018/06/a-reforma-trabalhista-apos-seis-meses/. Acesso em: mar. 2019.

TROTSKY, Leon. A história da revolução russa. Rio de Janeiro: Saga, 1967.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1677-9509.2019.1.33891


Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Textos & Contextos (Porto Alegre)
eISSN: 1677-9509
DOI: 10.15448/1677-9509
Avaliação do Qualis CAPES - 2016
Área Capes - Serviço Social
Classificação: A2
E-mail: textos@pucrs.br
 
 
Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul
 
 
Copyright: © 2006-2020 EDIPUCRS