As condições das classes trabalhadoras nas circunstâncias da crise e restauração no Brasil atual

Adilson Aquino Silveira Júnior

Resumo


O presente texto objetiva analisar a situação de classe do/as trabalhadores/as forjada pela crise e a reação burguesa no Brasil. Em especial, busca avançar na caracterização da conjuntura mais recente, circunscrita pelos aspectos econômicos e a ofensiva restauradora alcançados no último biênio (2016-2017). O estudo está embasado em dados estatísticos, relatórios e levantamentos econômicos, sociais e políticos divulgados por diversas agências: organismos internacionais, organizações e movimentos políticos e meios de comunicação. Aponta para processos combinados de acirramento das condições degradantes de vida das classes trabalhadoras, como: exploração, expropriação, pauperização, repressão e despolitização. Por fim, conclui que tal quadro eleva as pressões para um inconformismo e uma inquietação social, resultando em uma tendência de agudização da luta de classes no País.


Palavras-chave


Crise econômica. Exploração. Pauperização. Expropriação. Luta de classes.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS AUDITORES FISCAIS DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL. Análise da Seguridade Social 2015. Brasília, DF: ANFIP, 2016.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS AUDITORES FISCAIS DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL; DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS. Previdência: reformar para excluir? Contribuição técnica ao debate sobre a reforma da previdência social brasileira. Brasília, DF: ANFIP; DIEESE, 2017.

ARTIGO 19 (org.). As ruas sob ataque: protestos 2014 e 2015. Setembro de 2015. Disponível em: http://artigo19.org/blog/2015/09/10/relatorio-aponta-que-estado-brasileiro-segue-com-postura-repressiva-a-manifestacoes-de-rua/. Acesso em 9 abr. 2018.

BRASIL. Declaração Ministerial“ Um chamado urgente para uma ação decisiva sobre a água”. Brasília, mar. 2018. Disponível em: http://www.worldwaterforum8.org/pt-br/news/declara%C3%A7%C3%A3o-ministerial-busca-a%C3%A7%C3%A3odecisiva-sobre-%C3%A1gua. Acesso em: 20 abr. 2018.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE MUNICIPIOS (CNM). Redução no orçamento da Assistência Social compromete futuro do Suas. 2. ed.: (Estudo técnico). Brasília, janeiro de 2018. Disponível em: http://www.cnm.org.br/biblioteca/exibe/3292. Acesso em 20 abr. 2018.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DAS INDÚSTRIAS. Indicadores Industriais, ano 17, n. 8, ago. 2015.

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES (CUT). Terceirização e desenvolvimento, uma conta que não fecha: dossiê acerca do impacto da Terceirização sobre os trabalhadores e propostas para garantir a igualdade de direitos. Secretaria Nacional de Relações de Trabalho e Departamento Intersindical de Estatística e Estudos. São Paulo: CUT, 2014.

DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS (DIEESE). Previsão de recuperação não inspira otimismo. Boletim de Conjuntura, n. 13, fev. 2018. Disponível em: https://www.dieese.org.br/boletimdeconjuntura/2018/boletimConjuntura013.html. Acesso em 20 abr. 2018.

DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS (DIEESE). PEC nº 241/2016: o novo regime fiscal e seus possíveis impactos. Nota Técnica n° 161, set. 2016.

FONTES, Virgínia. Capitalismo em tempos de uberização: do emprego ao trabalho. Marx e o Marxismo – Revista do NIEPMarx, [s. l.], v. 5, n. 8, p. 45-67, jul. 2017.

SOROPOSITIVIDADE, COMUNICAÇÃO E GÊNERO (GESTOS); INSTITUTO DEMOCRACIA E SUSTENTABILIDADE (IDS) (org.). Relatório Luz da agenda 2030 de desenvolvimento sustentável: síntese. [S. l.]: GESTOS; IDS, 2017. Disponível em: http://actionaid.org.br/wp-content/files_mf/1499785232Relatorio_sintese_v2_23jun.pdf. Acesso em 20 abr. 2018.

GONÇALVES, R. Governo Lula e o nacional-desenvolvimentismo às avessas. Revista da Sociedade Brasileira de Economia Política, [s. l.], v. 31, 2012a. p. 5-30.

GONÇALVES, R. Redução da desigualdade da renda no governo Lula: análise comparativa. In: SALVADOR, Evilásio; B.EHRING, E.; BOSCHETTI, I.; GRANEMANN, S. (org.). Financeirização, Fundo Público e Política Social. São Paulo: Cortez, 2012b. p. 13-30.

HOBSBAWN, E. J. Era dos Extremos: o breve século XX. Trad. Marcos Santarrita. 9. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Síntese dos Indicadores de 2009. Rio de Janeiro: IBGE; 2010.

ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS (INESC); OXFAM BRASI; CENTRO PARA OS DIREITOS ECONÔMICOS SOCIAIS (CESR). Direitos humanos em tempos de austeridade. (Relatório). 2017. dez. Disponível em: http://static.congressoemfoco.uol.com.br/2017/12/estudo_oxfam1.pdf. Acesso em: 20 abr. 2018.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Nota técnica nº 22: PNAD 2014: Breves análises. Brasília, dez.

Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/nota_tecnica/151230_nota_tecnica_pnad2014.pdf. Acesso em: 20 abr. 2018.

KREIN, J.; GIMENES, D. M.; SANTOS, A. L. dos. Dimensões críticas da reforma trabalhista no Brasil. Campinas: Curt Nimuendajú, 2018.

LUCE, M. S. A superexploração da força de trabalho no Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Economia Política, São Paulo, n. 32, p. 119-141, jun. 2012.

LUCE, M. S. Brasil: nova classe média ou novas formas de superexploração da classe trabalhadora? Trabalho, Educação e Saúde, vol. 11, n. 1, abr., p.169-190, 2013. https://doi.org/10.1590/S1981-77462013000100010

MARX, K. O capital: crítica da economia política. Livro I: o processo de produção do capital. Trad. Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo, 2013.

MEDEIROS, M.; SOUZA, P. G. F. A estabilidade da desigualdade no Brasil entre 2006 e 2012: resultados adicionais. Rio de Janeiro, fev. 2016. (Texto para discussão, IPEA, 2170).

MÉSZÁROS, I. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. Trad. Paulo Cezar Castanheira e Sergio Lessa. São Paulo: Boitempo, 2002.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO (PNUD). Human Development Report 2016: Human Development for Everyone. PNUD: New York, 2016. Disponível em: http://www.br.undp.org/content/dam/brazil/docs/RelatoriosDesenvolvimento/undp-br-2016-human-development-report-2017.pdf. Acesso em: 20 abr. 2018.

SALVADOR, E. da S. O desmonte do financiamento da seguridade social em contexto de ajuste fiscal. Serviço Social & Sociedade, Porto Alegre, n. 130, p. 426-446, set./dez. 2017. https://doi.org/10.1590/0101-6628.117

SINGER, A. Quatro notas sobre as classes sociais nos dez anos do lulismo. Psicologia USP, São Paulo, v. 26, n. 1, p. 7-14, abr. 2015. https://doi.org/10.1590/0103-6564D20140012

SKOUFIAS, E.; NAKAMURA, S.; MAYER, G. Salvaguardas contra a reversão dos ganhos sociais durante a crise econômica no Brasil Banco Mundial. [S. l.]: Banco Mundial, 2017. jan. Disponível em: http://documents.worldbank.org/curated/pt/469091487328690676/Safeguarding-against-a-reversal-in-social-gains-during-the-economic-crisis-in-Brazil. Acesso em: 20 abr. 2018. https://doi.org/10.1596/26095

SOUZA, J. M. A. de. Tendências ideológicas do conservadorismo. 2016. 304 f. Tese (Doutorado em Serviço Social) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1677-9509.2019.1.30889


Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Textos & Contextos (Porto Alegre)
eISSN: 1677-9509
DOI: 10.15448/1677-9509
Avaliação do Qualis CAPES - 2016
Área Capes - Serviço Social
Classificação: A2
E-mail: textos@pucrs.br
 
 
Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras. Disponibilidade para depósito: Azul
 
 
Copyright: © 2006-2020 EDIPUCRS