A educação de jovens e adultos da classe trabalhadora sob o fogo cruzado da pedagogia do medo

Sonia Maria Rummert

Resumo


O trabalho objetiva suscitar o debate acerca da problemática da Educação de Jovens e Adultos Trabalhadores no Brasil, referindo, inicialmente, a dificuldades que marcam sua história recente e que constituem expressões de antiga e estrutural supressão do direito da classe trabalhadora à educação plena e de qualidade socialmente referenciada. A seguir, trata-se da circunstância histórica delineada a partir do último processo eleitoral que marcou o ingresso do país num tempo em que vige a pedagogia do medo, convergente, em algumas de suas características gerais, com outros processos verificados no mundo ocidental, ao longo do século XX, configurados como regimes de força. Concluímos indicando algumas possibilidades de construção coletiva de resistência e luta na atual conjuntura brasileira que, segundo nosso entendimento, podem contribuir para a travessia para a qual somos convocados, visando a enfrentar o desafio e o fardo desse tempo histórico.


Palavras-chave


Educação de Jovens e Adultos Trabalhadores. Política educacional. Educação da classe trabalhadora. Pedagogia do medo.

Texto completo:

PDF

Referências


CARVALHO, Marcelo Pagliosa O financiamento da EJA no Brasil: repercussões iniciais do Fundeb. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, [S. l.], v. 30, n. 3, p. 635-655, set./dez. 2014. https://doi.org/10.11606/t.48.2012.tde-23042012-154314

DI PIERRO, Maria Clara. Revista Época. Entrevista. Disponível em: https://epoca.globo.com/ideias/noticia/2016/06/maria-clara-di-pierro-perdemos-32-milhoes-dematriculas-na-educacao-de-jovens-e-adultos.html. Acesso em: 10 out. 2018. https://doi.org/10.5965/1984724616312015245

FERNANDES, Florestan. Capitalismo dependente e classes sociais na América Latina. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Ppaz e Terra, 1979.

GRAMSCI, Antonio. Caderno 12. Apontamentos e notas dispersas para um grupo de ensaios sobre história dos intelectuais. In: GRAMSCI, Antonio. Cadernos do Cárcere, v. 2: Os intelectuais, o princípio educativo. Jornalismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000. https://doi.org/10.11606/d.48.2010.tde-12112010-143733

GRAMSCI, Antonio. Caderno 11. Apontamentos e notas dispersas para um grupo de ensaios sobre história dos intelectuais. In: GRAMSCI, Antonio. Cadernos do Cárcere,v. 1: Introdução ao estudo da filosofia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999. https://doi.org/10.14393/revedfil.issn.0102-6801.v28n55a2014-p59a98

KOSIK, Karel. Dialética do concreto. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

KUENZER, Acácia. Exclusão includente e inclusão excludente: a nova forma de dualidade estrutural que objetiva as novas relações entre educação e trabalho. In: LOMBARDI, J.; SAVIANI, D.; SANFELICE, J. (org.). Capitalismo, trabalho e educação. São Paulo: Autores Associados; HISTEDBR, 2005. p. 77-96.

LEHER, Roberto. Não é só uma lógica econômica, é um horizonte para a formação humana no Brasil. Portal EPSJV/Fiocruz, Rio de Janeiro, 2016. Entrevista. EPSJV/Fiocruz/05/07/2016 Disponível em: http://www.epsjv.fiocruz.br/noticias/entrevista/nao-e-so-uma-logica-economica-e-um-horizontepara-a-formacao-humana-no-brasil. Acesso: ago. 2018.

LEMME, Paschoal. Estudos de educação. Rio de Janeiro: Livraria Tupã, 1953.

MAESTRI, Mário. A pedagogia do medo: disciplina, aprendizado e trabalho na escravidão brasileira. In: STEPHANOU, Maria; BASTOS, Maria Helena Câmara. (org.). Histórias e memórias da educação no Brasil. Séc. XVI-XVIII. Petrópolis: Vozes, 2004. v. 1, p. 192-209.

MARX, Karl. A questão judaica. In: MARX, Karl. Manuscritos econômico filosóficos. Lisboa: Edições 70, 1989. p. 35-76.

MENDES FARIA FILHO, Luciano. Organizar a Resistência na Educação: uma agenda democrata. In: Pensar a Educação Pensar o Brasil, 2018. Disponível em: http://pensaraeducacao.com.br/blogpensaraeducacao/organizara-

resistencia-na-educacao-uma-agenda-democrata/. 29 de outubro de 2018. Acesso: 6 nov. 2018.

MÉSZÁROS, István. A teoria da alienação em Marx. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1981.

MÉSZÁROS, István. Igualdade substantiva e democracia substantiva. São Paulo: Boitempo, 2015. p. 32. (Margem

Esquerda. Ensaios marxistas, n. 25).

MÉSZÁROS, István. O desafio e o fardo do tempo histórico: o socialismo no século XXI. São Paulo: Boitempo, 2007.

MÉSZÁROS, István. Para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2006.

OIT – Brasília. Tendências Globais de Emprego para a Juventude 2017. Fraca recuperação nos mercados de trabalho juvenil exige uma resposta abrangente. Disponível em: https://www.ilo.org/brasilia/noticias/WCMS_597076/lang--pt/index.htm. Acesso em: 5 out. 2018.

PALUDO, Conceição. Educação popular como resistência e emancipação humana. Cadernos CEDES, Campinas v. 35, n. 96, p. 235, maio-ago. 2015.

PENNA, F. A. “Escola Sem Partido” como ameaça à Educação Democrática: fabricando o ódio aos professores e destruindo o potencial educacional da escola. In: MACHADO, A. R. de A.; TOLEDO, M. R. de A. (org.). Golpes na História e na Escola. São Paulo: Cortez: ANPUH-SP, 2017b. v. 1. p. 247-260.

PENNA, F. A. O Escola sem Partido como chave de leitura do fenômeno educacional. In: FRIGOTTO, Gaudêncio (org.). Escola “sem partido”: esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ, LPP, 2017a. v. 1. p. 35-48.

PINTO, Álvaro Vieira. Sete lições sobre educação de adultos. São Paulo: Autores Associados; Cortez, 1982.

PRADO JÚNIOR, Caio. Formação do Brasil contemporâneo. São Paulo: Brasiliense: Publifolha, 2000.

RUMMERT, Sonia Maria. A atualidade das contribuições de Paschoal Lemme e de Álvaro Vieira Pinto à educação de adultos. Revista Brasileira de Educação de Jovens e Adultos, Salvador, v. 4, n. 7, 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1981-2582.2019.3.33784

ISSN-L: 0101-465X | e-ISSN: 1981-2582


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.