A EJA em contextos de privação de liberdade: desafios e brechas à educação popular

Elenice Maria Cammarosano Onofre, Jarina Rodrigues Fernandes, Ana Claudia Ferreira Godinho

Resumo


O ensaio discute a Educação de Jovens e Adultos em privação de liberdade na perspectiva da educação popular. Apresenta dados estatísticos do sistema prisional brasileiro, reflexões sobre o papel da escola e a pertinência do diálogo entre educação escolar e não escolar nos espaços de privação de liberdade. Sugere brechas e possibilidades para a educação nos referidos espaços, a partir de três dimensões:  a articulação entre as práticas educativas propostas; a organização curricular flexível e o trabalho interdisciplinar como proposta metodológica e a valorização do trabalho docente, com a indicação de que, justamente, a partir das situações-limite, é possível potencializar a dimensão política das práticas sociais vinculadas à educação nas prisões.

 


Palavras-chave


Educação na prisão; Educação de jovens e adultos; Educação popular; Práticas educativas na prisão.

Texto completo:

PDF

Referências


ARROYO, Miguel Gonzalez. O saber de si como direito ao conhecimento. In: ARROYO, Miguel Gonzalez. Currículo, território em disputa. Petrópolis: Vozes, 2011. p. 279-257.

BARCELOS, Clayton da Silva. Educação escolar na prisão: os significados e sentidos das professoras que atuam em unidades penais de Corumbá, Mato Grosso do Sul. 2017. 167 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – MS. 2017.

BESSIL, Marcela Haupt. A prática docente de educação de jovens e adultos no sistema prisional: um estudo da psicodinâmica do trabalho. 2015. 217 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 2015.

BRASIL. Lei nº 7.210, de 11 de julho de 1984. Institui a Lei de Execução Penal. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L7210.htm. Acesso em: 20 mar. 2019.

BRASIL. [Contituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 20 mar. 2019.

BRASIL. Decreto nº 7.626, de 24 de novembro de 2011. Institui o Plano Estratégico de Educação no âmbito do Sistema Prisional. Disponível em:

http://portal.mec.gov.br/index.phpoption=com_docman&view=download&alias=10027-decreto-7626-24-novembro 2011&category_slug=fevereiro-2012-pdf&Itemid=30192. Acesso em:23 mar. 2019.

BRASIL. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias – atualização junho de 2016. Brasília: DEPEN, MJ, 2017. Disponível em: http://depen.gov.br/DEPEN/noticias-1/noticias/infopen-levantamento-nacionalde-informacoes-penitenciarias-2016/relatorio_2016_22111.pdf. Acesso em: 20 mar. 2019

BRASIL/CNE/CEB. Resolução nº 2, de 19 de maio de 2010. Dispõe sobre as Diretrizes Nacionais para a oferta de educação para jovens e adultos em situação de privação de liberdade nos estabelecimentos penais. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.phpoption=com_docman&view=download&alias=5142-rceb002-10&category_slug=maio-2010-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 23 mar. 2019.

CABRAL, Paula. A EJA nos espaços de privação e restrição de liberdade: as apropriações das diretrizes da UNESCO no redirecionamento do trabalho dos professores. 2019. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. 2019.

CAMPOS, Aline. Educação, escola e prisão: o espaço de voz de educandos do Centro de Ressocialização de Rio Claro/ SP. 2015. Universidade Federal de São Carlos – UFSCar, São Carlos, 2015.

COSTA, Antonio Carlos Gomes da (coord.). Socioeducação: Estrutura e Funcionamento da Comunidade Educativa. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, 2006. 156 p.

DE MAYER, Marc. A educação na prisão não é uma mera atividade. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 38, n. 1, p. 33-49, jan./mar. 2013.

DEPEN. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias – junho de 2016. Brasília: DEPEN, 2017.

DUARTE, Alisson José Oliveira. O processo de constituição da identidade profissional de professores da educação carcerária. 2017. 149 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Triângulo Mineiro – Minas Gerais. 2017.

FREIRE, Paulo. Educação na Cidade. São Paulo: Cortez,

FREIRE, Paulo. Política e Educação. São Paulo: Cortez,

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 42. ed. Rio de

Janeiro: Paz e Terra, 2005.

FRIGOTTO, Gaudêncio. A interdisciplinaridade como necessidade e como problema nas Ciências Sociais. Ideação: Revista do Centro de Educação e Letras, Foz do Iguaçu, v. 10, n. 1, p. 41-62, jan./jun. 2008.

GALEANO, Eduardo. As palavras andantes. Porto Alegre:

L&PM, 2007.

GIROUX, Henry. Professores como intelectuais transformadores. In: GIROUX, Henry. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997. p. 157-163.

GOFFMAN, Erving. Manicômios, Prisões e Conventos. São Paulo: Perspectiva, 2015.

IRELAND, Timothy Denis. Educação em prisões no Brasil: direito, contradições e desafios. Em Aberto, Brasília, DF, v. 24, n. 86, p. 19-39, 2011.

LOPES, Cloris Violeta Alves. Do ser ao tornar-se professor nas escolas dos espaços de privação de liberdade. 2019. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos. 2019.

MARQUES, Larissa Rabêlo. Atividades experimentais no Ensino de Química: uma proposta didática no contexto da socioeducação. 2016. 155 f., il. Dissertação (Mestrado Profissionalizante em Ensino de Ciências) – Universidade de Brasília, Brasília, 2016.

MENOTTI, Camila Cardoso. O exercício da docência entre as grades: reflexões sobre a prática de educadores do sistema prisional do estado de São Paulo. 2013. 129f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos. 2013.

NAKAYAMA, Andréa Rettig. O Trabalho de professores/ as em um espaço de privação de liberdade: necessidades de formação continuada. 2011. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. 2011.

OLIVEIRA JUNIOR, Dalmir Franklin de. Projeto banda liberdade: a prioridade absoluta nas medidas socioeducativas. 2016. 202 f. Dissertação (Mestrado em Direito) – Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, 2016.

ONOFRE, Elenice Maria Cammarosano. Educação escolar na prisão: controvérsias e caminhos de enfrentamento e superação da cilada. In: LOURENÇO, Arlindo da Silva;

ONOFRE, Elenice Maria Cammarosano (org.). O espaço da prisão e suas práticas educativas: enfoques e perspectivas contemporâneas. 1. ed. São Carlos: EdUFSCar, 2011. v. 1.p. 267-285.

ONOFRE, Elenice Maria Cammarosano. Políticas de formação de educadores para os espaços de restrição e de privação de liberdade. Revista Eletrônica de Educação, São Carlos, v. 7, p. 137-158, 2013.

ONOFRE, Elenice Maria Cammarosano. A prisão: instituição educativa? Cadernos CEDES, Campinas, v. 36, p. 43-59, 2016.

PEREIRA, A. A educação-pedagogia no cárcere no contexto

da pedagogia social: definições conceituais e epistemológicas.

Revista Educação Popular, Uberlândia, v. 10, p. 38-55, jan./

dez. 2011.

PÉREZ GÓMEZ, Angel I. As funções sociais da escola: da reprodução à reconstrução crítica do conhecimento e da experiência. In: GIMENO SACRISTÁN, José; PÉREZ GÓMEZ, Angel I. Compreender e transformar o ensino. 4. ed. Porto Alegre: ARTMED, 2000. p.13-26.

PÉREZ GÓMEZ, Angel I. Educação na era digital: a escola educativa. Trad. Marisa Guedes. Porto Alegre: Penso, 2015.

PESSANO, Edward Frederico Castro. O rio Uruguai como estratégia de contextualização do ensino em uma escola com restrição de liberdade. 2015. 290 f. Tese (Doutorado em Educação em Ciências) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2015.

PRADO, Alice Silva do. Educação nas prisões: desafios e possibilidades do ensino praticado nas unidades prisionais de Manaus. 2015. 107 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade Federal do Amazonas – UFAM, Manaus, 2015.

SANTANA, Aline Neves Vieira de. Contribuições do ensino

de ciências no centro de atendimento socioeducativo de Goiânia. 2013. 123 f. Dissertação (Mestrado em educação em Ciências e Matemática) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2013.

SAVIANI, Demerval. Escola e Democracia. 32. ed.

Campinas: Autores Associados, 1999.

SCHOLZ, René Gomes. Educomunicação & socioeducação:

a implantação e desenvolvimento da rádio escola São

Francisco. 2017. 167 f. Dissertação (Mestrado em Educação)

– Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2017.

SILVA, Lucas Lourenço. O direito à educação escolar prisional: uma realidade entre grades. 2017. 165 f. Dissertação. (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de Goiás – PUC Goiás, Goiânia, 2017.

SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves e. Educação e identidade dos negros trabalhadores rurais do Limoeiro. 1987. 293 f. Tese. (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Rio grande do Sul, Porto Alegre, 1987.

SILVA, Thayla Fernanda Souza e. Narrativas de vida e formação da pessoa privada de liberdade: sentidos (re)construídos na/pela experiência. 2019. 196 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2019.

VIEIRA, Elizabeth de Lima Gil. Trabalho docente: de portas abertas para o cotidiano de uma escola prisional. 2008. 136 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

WACQUANT, Loïc. As Prisões da Miséria. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1981-2582.2019.3.33770

ISSN-L: 0101-465X | e-ISSN: 1981-2582


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.