A pedagogia do oprimido como referência para a EJA e para a educação popular

Danilo R. Streck, Carolina Schenatto da Rosa

Resumo


O artigo tem por objetivo problematizar porque a Pedagogia do oprimido é uma referência permanente para a educação popular e para a educação de jovens e adultos. A atualidade da obra foi analisada a partir de três dimensões: o popular na educação, o pensar crítico e a revolução cultural. As análises evidenciam que, apesar da educação de jovens e adultos estar longe de cumprir com seu papel reparador no Brasil, o caráter dialógico e humanizador da pedagogia freireana continua presente nas práticas pedagógicas. A Pedagogia do oprimido pode ser uma referência tanto como uma orientação ético-política quanto uma matriz teórico-prática.


Palavras-chave


Paulo Freire; Pedagogia do Oprimido; EJA; Educação Popular.

Texto completo:

PDF

Referências


APPLE, Michael. Educando à direita: mercados, padrões, Deus e desigualdade. São Paulo: Cortez/Instituto Paulo Freire, 2003.

APPLE, Michael. Para além da lógica do mercado: compreendendo e opondo-se ao neoliberalismo. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2005.

APPLE, Michael. Produzindo diferença: neoliberalismo, neoconservadorismo e a política de reforma educacional. Revista Linhas Críticas, n. 21, v. 46, p. 606-644.

Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oaid=193543849005. Acesso em: 29 mar. 2019.

CALVINO, Ítalo. Por que ler os clássicos. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

CLADE. Consulta Ampliando Voces: La educación de personas jóvenes y adultas desde la mirada de sus sujetos. Oficina Campaña Latinoamericana por el Derecho e la Educación: São Paulo: 2017.

Disponível em: https://pt.scribd.com/document/356101490/Consulta-AMPLIANDO-VOCESLa-Educacion-de-Personas-Jovenes-y-Adultas-desde-lamirada-de-sus-sujetos. Acesso em: 29 mar. 2019.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2017.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Esperança: um reencontro com Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2018.

GADOTTI, Moacir. Paulo Freire e a Educação Popular. Proposta: Revista trimestral de Debate da FASE, n.113, p. 21- 27, jul./set., 2007.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Mapa do Analfabetismo no Brasil. Brasília: Ministério da Educação, s/a.

IPEM. Instituto Paulo Montenegro: ação social do IBOPE. Indicador de Analfabetismo Funcional: INAF Brasil 2018 – resultados preliminares. INAF Brasil, 2018. Disponível em:https://drive.google.com/file/d/1ez6jrlrRRUm9JJ3MkwxEUffltjCTEI6/view. Acesso em: 29 mar. 2019.

MOTA NETO, João. C. Por uma Pedagogia Decolonial na América Latina: Reflexões em torno do pensamento de Paulo Freire e Orlando Fals Borda. Curitiba: CRV, 2016.

ROSA, Carolina Schenatto da. Toda a idade é certa se a educação é ao longo da vida: horizontes de(s)coloniais para política de educação de jovens e adultos na América Latina. 2017. 139f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade La Salle, Canoas, 2017.

STRECK, Danilo R. Uma pedagogia em movimento: os movimentos sociais na obra de Paulo Freire. In: MAFRA, Jason et al. Globalização, Educação e Movimentos Sociais: 40 anos da Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Editora do Instituto Paulo Freire-Esfera, 2009. p. 63-72.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1981-2582.2019.3.33767

ISSN-L: 0101-465X | e-ISSN: 1981-2582


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.