A presença de estudantes indígenas na educação profissional e tecnológica

Simone Valdete Dos Santos, Juliana da Cruz Mülling

Resumo


A presença de estudantes indígenas e sua cultura específica, no âmbito da rede federal de Educação Profissional, é ainda recente, considerando a expansão dos Institutos Federais de Educação Profissional, Ciência e Tecnologia e a implementação da Lei de Cotas nº 12.711, de 2012. A pesquisa desenvolvida apresenta o mapeamento das terras indígenas demarcadas e dos campi dos Institutos Federais presentes no Rio Grande do Sul, bem como o número de matrículas de estudantes indígenas em cada campus. No campus Sertão do Instituto Federal do Rio Grande do Sul, evidenciou-se a presença significativa de estudantes indígenas. A metodologia da pesquisa baseou-se em entrevistas etnográficas junto a gestores, técnicos administrativos, professores e estudantes indígenas kaingang. Foram identificadas implicações da presença kaingang nos processos burocráticos e pedagógicos da instituição.


Palavras-chave


Educação Profissional. Educação Indígena. Interculturalidade

Texto completo:

PDF

Referências


ARIAS, P. G. Corazonar el sentido de las epistemologías dominantes desde las sabidurías insurgentes: para construir sentidos otros de la existencia (Primera Parte). Calle14: Revista de Investigación en el Campo del Arte, Bogotá, v. 4,n. 5, p. 80-94, 2010. https://doi.org/10.17163/soph.n8.2010.05

BERGAMASCHI, M. A. Educação escolar indígena: um modo próprio de recriar a escola nas aldeias Guarani.Cadernos CEDES, Campinas, v. 27n. 72, p. 197-213, 2007a.

https://doi.org/10.1590/S0101-32622007000200006.

BERGAMASCHI, M. A. Nhembo’e: enquanto o encanto permanece! Processos e práticas de escolarização nas aldeias Guarani. 2005. Tese =(Doutorado em Educação) –Programa de Pós-Graduação em educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005. https://doi.org/10.14507/epaa.v20n34.

BERGAMASCHI, M. A. Processos e práticas educativas dos povos ameríndios no Brasil: um olhar a partir de pesquisas contemporâneas. Arquivos Analíticos de Políticas Educativas, [s. l.], v. 20, n. 34, p. 1-28, 2012. https://doi.org/10.14507/epaa.v20n34.2012.

BERGAMASCHI, M. A.; SILVA, R. H. D. Das escolas para índios às escolas indígenas. Ágora, Santa Cruz do Sul, v. 13, n. 1, p. 124-150, 2007.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto:Porto, 1994.

BRASIL. Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. Diário Oficial da União, Brasília, 30 dez. 2008. https://doi.org/10.18225/sispub.2019.7.

BRASIL. Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. Lei de Cotas. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 30 ago. 2012a. https://doi.org/10.18316/22389024.15.4.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação.Parecer nº 11, de 9 de maio de 2012. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional Técnica de Nível Médio. Brasília: MEC, 2012b. https://doi.org/10.11606/d.91.2017.tde-05012017-143040.

BRINGMANN, S. F. Entre os índios do Sul: uma análise da atuação indigenista do SPI e de suas propostas de desenvolvimento educacional e agropecuário nos postos indígenas Nonoai/RS e Xapecó/SC (1941-1967). 2015. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Departamento de História, Centro de Filosofia

e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa

Catarina, Florianópolis, 2015. https://doi.org/10.24873/j.rpemd.2017.11.026.

DOEBBER, M. Indígenas estudantes nas graduações da UFRGS: movimentos de re-existência. 2017. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1981-2582.2019.3.33245

ISSN-L: 0101-465X | e-ISSN: 1981-2582


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.