“É perto, mas é muito, muito longe”: conversando com crianças sobre senso espacial

Simone Damm Zogaib, Vânia Maria Pereira dos Santos-Wagner

Resumo


Neste artigo evidenciamos indícios de orientação espacial de crianças de cinco anos, matriculadas em uma escola municipal de educação infantil. Consideramos o que elas dizem a respeito do trajeto escola/casa/escola. Tal estudo faz parte de uma pesquisa qualitativa de doutorado em educação sobre senso espacial infantil no campo da geometria. Este texto se constituiu a partir da escuta de crianças em catorze entrevistas realizadas, das quais selecionamos questões sobre noções espaciais de perto/longe. Em Clements (2004), Lorenzato (2006), Mendes e Delgado (2008) encontramos suporte teórico para tratar da orientação espacial. Corsaro (2011) e Sarmento (2007) nos auxiliaram nos estudos sobre infância. Verificamos que as crianças possuem conhecimentos sobre orientação espacial e relacionam noções espaciais de perto/longe aos seus próprios pontos de referência. Concluímos que é importante considerar os usos e significados que as crianças atribuem às noções espaciais, mas também vale considerar o papel significativo da escola em pensar e problematizar junto com as crianças essa orientação espacial no ambiente escolar, no bairro e na cidade onde vivem e se locomovem.


Palavras-chave


Educação infantil. Educação matemática. Geometria. Senso espacial. Noções de perto/longe.

Texto completo:

PDF

Referências


ARCE, A. Quem tem medo de ensinar na educação infantil? Em defesa do ato de ensinar. Campinas, SP: Alínea, 2007.

BARBOSA, I. G. Educação infantil, formação de conceitos e criatividade: discutindo uma versão sócio-histórico-dialética. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE CRIATIVIDADE: CRIATIVIDADE, PARA QUÊ?, 1., 1998, São Paulo. Anais [...]. São Paulo, 1998. p. 105-111.

BATTISTA, M. T. Spatial visualization and gender differences in high school geometry. Journal for Research in Mathematics Education, n. 21, p. 47-60, 1990.

https://doi.org/10.2307/749456

BISHOP, A. Mathematical enculturation. Londres: Kluwer, 1991.

https://doi.org/10.1007/978-94-009-2657-8_5.

https://doi.org/10.1007/978-94-009-2657-8_6.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/CONSED/UNDIME, 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Diário Oficial da União, Brasília, 18 de dezembro de 2009, Seção 1.

CARVALHO, A. F; MÜLLER, F. Ética na pesquisa com crianças: uma problematização necessária. In: MÜLLER, F. (org.). Infância em perspectiva: políticas, pesquisas e instituições. São Paulo: Cortez, 2010. p. 17-38.

CLEMENTS, D. H. Geometric and spatial thinking in early childhood education. In: CLEMENTS, D. H.; SARAMA, J.; DIBIASE, A. M. Engaging young children in mathematics: Standards for early childhood mathematics education. Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum, 2004. p. 267-298.

CORSARO, W. A. Sociologia da infância. Tradução: Lia Gabriele Regius Reis. São Paulo: Artmed, 2011.

FIORENTINI, D.; LORENZATO, S. Investigação em educação matemática: percursos teóricos e metodológicos. Campinas, SP: Autores Associados, 2006.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

ITACARAMBI, R. R.; BERTON, I. C. B. Geometria, brincadeira e jogos: 1º ciclo do ensino fundamental. São Paulo: Livraria da Física, 2008.

KRAMER, S. Infância, cultura contemporânea e educação contra a barbárie. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DA OMEP - INFÂNCIA E EDUCAÇÃO INFANTIL: REFLEXÕES PARA O INÍCIO DO SÉCULO, 2000, Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro: Ravil, 2000. p. 34-53.

LYNCH, K. A imagem da cidade. Porto: Edições 70, 1982.

LORENZATO, S. Educação infantil e percepção matemática. São Paulo: Autores Associados, 2006.

LORENZATO, S. Para aprender matemática. 3. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2010.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 2013.

MALHO, M. J. A criança e a cidade: independência de mobilidade e representações sobre o espaço urbano. Reflexão e Acção, Lisboa, n. 83, p. 52-57, 2010.

Disponível em: https://www.dge.mec.pt. Acesso em: 13 fev. 2018.

MENDES, M. de F.; DELGADO, C. C. Geometria: textos de apoio para educadores de infância. Lisboa: Direção-Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular – DGIDC: Ministério da Educação, 2008.

OWENS, K. The role of visualization in young students´learning. In: ZALAVSKY, O. (ed.). Proceedings of 23th PME Conference. Haifa: Israel Institute of Technology, 1999. v. 1. p. 220-234.

ROMBERG, T. A. Perspectives on scholarship and research methods. In: GROUWS, D. A. (ed.). Handbook of research on mathematics teaching and learning. National Council of Teachers of Mathematics. New York: Macmillan, 1992. p. 49-64.

SARMENTO, M. J. Visibilidade social e estudo da infância. In: VASCONCELLOS, V. R.; SARMENTO, M. J. Infância (invisível.). São Paulo: Junqueira e Marin, 2007. p. 25-49.

SARMENTO, M. J. A criança cidadã: vias e encruzilhadas. Imprópria, Lisboa, n. 2, p. 45-49, 2012.

SARMENTO, M. J.; SOARES, N.; TOMÁS, C. Participação social e cidadania activa das crianças. In: ENCONTRO INTERNACIONAL DO FÓRUM PAULO FREIRE, 4., Porto, Portugal, 2004.

Disponível em: www.paralapraca.org.br. Acesso em: 11 fev. 2018.

SILVA, C. M. S. da; SANTOS-WAGNER, V. M. P. dos. Considerações para os iniciantes em pesquisas em educação matemática e educação do campo. In: SILVA, C. M. S. da; SANTOS-WAGNER, V. M. P. dos; MARCILINO, O. T.; FOERSTE, E. Metodologia da pesquisa em educação do campo: povos, territórios, movimentos sociais, sustentabilidade. Vitória, ES: UFES, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2009. p. 53-64.

SMOLE, K. S. A matemática na educação infantil: a teoria das inteligências múltiplas na prática escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003.

SMOLE, K. S.; DINIZ, M. I.; CÂNDIDO, P. Brincadeiras infantis nas aulas de matemática. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

STAKE, R. E. Pesquisa qualitativa: estudando como as coisas funcionam. Porto Alegre: Penso, 2011.

STEFFE, L. P.; THOMPSON, P. W. Teaching experiment methodology: underlying principles and essential elements. In: LESH, R.; KELLY, A. E. (ed.). Research design in mathematics and science education. Hillsdale, NJ: Erlbaum, 2000. p. 267-307.

VALE, I.; BARBOSA, A.; PALHARES, P. A visualização e a resolução de problemas envolvendo padrões: um estudo no segundo ciclo. 2007.

Disponível em: www.ese.ipvc.pt/padroes/artigos/2007_05.pdf. Acesso em: 21 jan. 2018.

ZOGAIB, S. D.; SANTOS-WAGNER, V. M. P. dos. Matemática na educação infantil: uma análise da produção acadêmica no sudeste brasileiro. In: REUNIÃO CIENTÍFICA REGIONAL SUDESTE DA ANPED, 12., Vitória, 2016. Anais [...]. Vitória, ES: Universidade Federal do Espírito Santo, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2016. p. 3.261-3.278.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1981-2582.2019.1.30133

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org


Apoio Institucional – fev./dez. 2012 referente ao Edital MCTI/CNPq/MEC/CAPES Nº. 15/2011.




Educação

e-ISSN 1981-2582
ISSN-L 0101-465X


Avaliação do Qualis CAPES - 2014 
ÁREA CAPES - Educação
CLASSIFICAÇÃO - A2

E-mail: reveduc@pucrs.br



Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras.

Disponibilidade para depósito: Azul

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS