Consciência e controle: uma intervenção histórico-cultural sobre a escrita de acadêmicas de Pedagogia a distância

Rafael Fonseca de Castro, Magda F. Damiani, Bento Selau

Resumo


Este artigo é resultado de uma pesquisa que objetivou investigar a evolução da escrita de acadêmicas de um curso de Pedagogia a distância. Durante o período de sete semestres, foram realizadas quatro intervenções pedagógicas e minucioso acompanhamento das produções textuais das estudantes. Das 42 acadêmicas da turma pesquisada, foram selecionadas três. Os dados para o estudo foram coletados via análise documental – sendo os documentos as produções textuais –, questionário e entrevistas. As análises dessas produções e dos depoimentos das acadêmicas produziram os seguintes achados: recepção positiva às intervenções; despertar da consciência a aspectos fundamentais ao exercício da escrita, como dar-se conta de que se escreve para um interlocutor e sobre a importância da revisão dos textos; melhor organização macroestrutural; uso mais eficaz de recursos de pontuação e; aprimoramento e aumento do repertório de articuladores textuais.


Palavras-chave


Intervenção. Consciência. Escrita. Pedagogia.

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHURST, D. Consciousness and Revolution in Soviet Philosophy: From the Bolsheviks to Evald Ilyenkov. Modern European Philosophy. Cambridge: Cambridge University Press, 1991. https://doi.org/10.1017/CBO9780511608940

BECHARA, E. Moderna Gramática Portuguesa. 37. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

CITELLI, A. O texto argumentativo. São Paulo: Scipione, 1994. DAMIANI, M. F. et al. A escrita acadêmica: análise e intervenção. Linguagem & Ensino, Pelotas, v. 14, n. 1, p. 249-271, 2011.

DAMIANI, M. F. et al. Pesquisas do tipo intervenção pedagógica. Cadernos de Educação, Pelotas, v. 45, n. 1, p. 57-67, 2014.

DAVYDOV, V. V.; RADZIKHOVSKII, L. A. Vygotsky´s theory and the activity-oriented approach in psychology. In: WERTSCH, J. V. (Ed.). Culture, communication and cognition: vygotskyan perspectives. New York: Cambridge, 1985. p. 33-65.

DELARI, JR. A. Consciência e linguagem em Vigotski: aproximações ao debate sobre a subjetividade. 2000. 224f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós- Graduação em Educação, Universidade de Campinas, Campinas, 2000.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

IAROCHEVSKI, M. F.; GURGUENIDZE, G. S. Epílogo. In: VYGOTSKY, L. S. Teoria e método em Psicologia. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: . Acesso em: 12 jun. 2014.

INAF. Indicador de Alfabetismo Funcional. São Paulo: Ação Educativa, 2009, 25p.

KOCH, I. G. V. A coesão texual. 22. ed. São Paulo: Contexto, 2010.

KOCH, I. G. V. Desvendando os segredos do texto. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2003.

LEONTIEV, A. Actividad, conciencia y personalidad. Buenos Aires: Ediciones Ciencias Del Hombre, 1978.

LORDELO, L. R. A consciência como objeto de estudo na psicologia de L. S. Vigotski: uma reflexão epistemológica. 2007. 159f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Ensino, Filosofia e História, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2007.

LUKEMAN, N. A arte da pontuação. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

LURIA, A. R. A construção da mente. Ícone: São Paulo, 1992.

MORAES, R. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência & Educação, Bauru, v. 9, n. 2, p. 191-211, 2003. https://doi.org/10.1590/S1516-73132003000200004

PISA. Programme for International Student Assessment. Disponível em: . Acesso em: 12 fev. 2014.

PRESTES, Z. R. Quando não é quase a mesma coisa: análise de traduções de Lev Semionovitch Vigotski no Brasil. Repercussões no campo educacional. 2010. 295f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade de Brasília, Brasília, 2010.

RAMIRES, V. Leitura e produção escrita de universitários. Revista de Letras, Fortaleza, v. 1/2, n. 24, p. 34-42, 2002.

RIVIÈRE, A. La psicología de Vygotski. Madrid: Visor, 1985.

ROBBINS, D. Vygotsky's Non-classical Dialectical Metapsychology. Journal for the Theory of Social Behaviour, NJ, v. 33, n. 3, p. 303-312, 2003. https://doi.org/10.1111/1468- 5914.00219

SAEB. Sistema de Avaliação da Educação Básica. Disponível em: . Acesso em: 13 dez. 2012.

SFORNI, M. S. F.; GALUCH, M. T. B. Aprendizagem conceitual e apropriação da linguagem escrita: um diálogo necessário. In: ANPEd, 29., 2006, Caxambu. Anais do 29º encontro. Caxambu: 29ª Reunião da ANPEd, 2006. 12p.

SOARES, M. Alfabetização e Letramento. 5. ed. São Paulo: Contexto, 2008.

SUEHIRO, A. C. Dificuldade de aprendizagem da escrita num grupo de crianças do ensino fundamental. PSIC – Revista de Psicologia da Vetor Editora, São Paulo, v. 7, n. 1, p. 59-68, 2006.

TOASSA, G. Conceito de Consciência em Vygotski. Psicologia USP, São Paulo, n. 17, n. 2, p. 59-83, 2006.

TUNES, E. Os conceitos científicos e o desenvolvimento do pensamento verbal. Cadernos Cedes, Campinas, n. 35, 2000. p. 36-49.

VITÓRIA, M. I. C.; CHRISTÓFOLI, M. C. P. A escrita no Ensino Superior. Revista Educação, Santa Maria, v. 38, n. 1, jan./abr. 2013, p. 41-54.

VYGOTSKI, L. S. (1925). Obras escogidas. Madrid: Visor, 1991.

VYGOTSKI, L. S. (1931). Obras escogidas. Madri: Visor, 1995.

VYGOTSKI, L. S. (1931). Obras escogidas. Madrid: Visor, 1996.

WELLS, G. Indagación Dialógica: hacia una teoria y una práctica socioculturales de la educación. Barcelona: Paidós, 2001.

ZINCHENKO, V. P. Vygotsky’s ideas about units for the analysis of mind. In: WERTSCH, J. V. (Ed.), Culture, communication and cognition: Vygotskyan perspectives. New York: Cambridge, 1985.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1981-2582.2016.s.24259

ISSN-L: 0101-465X | e-ISSN: 1981-2582


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.