Arte contemporânea e ensino tecnológico: deslocamentos possíveis

Carla Giane Fonseca do Amaral, Luciana Gruppelli Loponte

Resumo


Este artigo trata de algumas relações possíveis entre as áreas da arte, docência e ensino tecnológico, com o olhar dirigido à formação docente para o ensino técnico e profissionalizante. Apresentando considerações baseadas em
uma pesquisa de Mestrado, e tendo aporte teórico em Nietzsche e Foucault, tratamos os movimentos provocados pela presença da arte, especialmente da arte contemporânea no contexto do ensino tecnológico como deslocamentos e os problematizamos em relação ao potencial formativo da experiência com arte contemporânea, a formação dos docentes que atuam na Educação Profissional e às concepções de arte presentes nesse sistema de ensino. Por fim, discorremos sobre as possibilidades de abertura à arte no ensino tecnológico e sobre potência da arte contemporânea para agenciar estratégias de formação continuada na EPT.


Palavras-chave


Arte. Docência. Ensino tecnológico. Deslocamentos.

Texto completo:

PDF

Referências


AGIRRE, Imanol. Teorías e Prácticas em Educación Artística: Ideas para uma revisión pragmatista de la experiencia estética. Barcelona: Octaedro/EUB, 2005.

AMORIM, Verussi; CASTANHO, Maria Eugênia. Por uma educação estética na formação universitária de docentes. Campinas: Educação e Sociedade, vol. 29, n. 105, p. 1167-1184, set./dez. 2008.

ARCHER, Michel. Arte Contemporânea: uma história concisa. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

BRASIL. Resolução n. 6, de 20 de setembro de 2012. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional Técnica de Nível Médio. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 21 de setembro de 2012, Seção 1, p. 22, 2012.

CANTON, Kátia. Do moderno ao contemporâneo. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

FAVARETTO, Celso. Arte contemporânea e educação. Revista Iberoamericana de Educación, n. 53, p. 225-235, 2010.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

HERMANN, Nadja. Autocriação e horizonte comum: ensaios sobre educação ético-estética. Ijuí: Editora Unijuí, 2010.

HERMANN, Nadja. Ética e estética: a relação quase esquecida. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2005.

NIETZSCHE, Friedrich. A Gaia Ciência. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

NIETZSCHE, Friedrich. O nascimento da tragédia ou helenismo e pessimismo. São Paulo: Companhia das Letras. 2001.

PEREIRA, Marcos Villela. Contribuições para entender a Experiência Estética. Revista Lusófona de Educação, América do Norte, n.18, p.111-123, dez. 2011.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível. São Paulo: EXO Experimental, 2009.

SILVA, Carla Odete Balestro da. Docência no PROEJA: pensando a formação continuada. In: MARASCHIN, Mariglei S. et al. Formação docente, acesso e permanência na educação profissional: estudos sobre o PROEJA. Pelotas: Editora da UFPEL, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1981-2582.2016.s.22431

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org


Apoio Institucional – fev./dez. 2012 referente ao Edital MCTI/CNPq/MEC/CAPES Nº. 15/2011.




Educação

e-ISSN 1981-2582
ISSN-L 0101-465X


Avaliação do Qualis CAPES - 2014 
ÁREA CAPES - Educação
CLASSIFICAÇÃO - A2

E-mail: reveduc@pucrs.br



Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras.

Disponibilidade para depósito: Azul

 

Copyright: © 2006-2020 EDIPUCRS