A docência nas séries iniciais do ensino fundamental: reflexões sobre a escolha da profissão e sobre o exercício profissional

Ana Paula Furtado Soares Pontes

Resumo


Este artigo discute a iniciação à docência e os dilemas do exercício profissional na visão dos professores das séries iniciais do ensino fundamental de escolas estaduais da Paraíba, onde desenvolve-se um projeto de extensão. A pesquisa, de cunho qualitativo (ALVES-MAZZOTTI, 2002), foi desenvolvida em três escolas públicas, localizadas em João Pessoa, a partir de entrevistas com 11 professores. O artigo traz uma breve discussão acerca da docência como profissão, seguida da análise dos resultados em termos de caracterização dos professores entrevistados, escolha da profissão e exercício profissional. As conclusões avançam no sentido de se compreender que a docência tem perdido conquistas profissionais históricas, chamando-se a atenção para o desafio do resgate da valorização da colegialidade docente e para o fortalecimento da relação entre os pares (IMBERNÓN, 2000) como estratégia importante no fortalecimento da docência como profissão.


Palavras-chave


Professores. Profissão docente. Escolha da profissão

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Nancy Nonato de Lima. Amor à profissão, dedicação e o resto se aprende: significados da docência em educação infantil na ambigüidade entre a vocação e a profissionalização, 2006. 29ª REUNIÃO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO, 2006, Caxambu, MG. Anais da ... Caxambu: Anped, 2006, p. 1-17. Disponível em: . Acesso em: 02 fev. 2015.

ALVES-MAZZOTTI, Alda Judith. O método nas ciências sociais. In: ALVES-MAZZOTTI, Alda Judith; GEWANDSZNAJDER, Fernando. O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. São Paulo: Pioneira Thompson Learning, 2002.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

______. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996.

______. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – Inep. Relatório Síntese: Pedagogia (Licenciatura). Brasília, DF, 2011. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_ superior/enade/relatorio_sintese/2011/2011_rel_pedagogia.pdf . Acesso em: 12 fev. 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Microdados do Censo Escolar da Educação Básica, 2012, Brasília, DF: MEC/Inep, 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2015.

CARVALHO, Marília Pinto de. Vozes masculinas numa profissão feminina. Revista Estudos Feministas, Rio de Janeiro, IFCS/UFRJ, v. 6, n. 2, 1998.

CONTRERAS, José. Autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.

DOURADO, Luiz Fernandes. A reforma do Estado e as políticas de formação de professores nos anos 1990. In: DOURADO, Luiz Fernandes; PARO, Vitor Henrique (Org.). Políticas públicas & educação básica. São Paulo: Xamã, 2001.

DUBAR, Claude. A socialização: construção das identidades sociais e profissionais. Porto: Porto Editora, 1997.

GATTI, Bernadete. Formação inicial de professores para a educação básica: pesquisas e políticas educacionais. Est. Aval. Educ., São Paulo, v. 25, n. 57, p. 24-54, jan.-abr. 2014. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2015.

ENGUITA, Mariano Fernández. A ambiguidade da docência: entre o profissionalismo e a proletarização. Teoria & Educação, Porto Alegre, n. 4, p. 41-61, 1991.

ESTEVE, José Manuel. Mudanças sociais e função docente. In: NÓVOA, António (Org.). Profissão professor. Porto: Porto Ed., 1995. p. 93-124.

FREIDSON, Eliot. Renascimento do profissionalismo: teoria, profecia e política. São Paulo: Editora da Universidade Federal de São Paulo, 1998.

RIBEIRO, Elisa Antônia. A perspectiva da entrevista na investigação qualitativa. Evidência: olhares e pesquisa em saberes educacionais, Araxá/MG, n. 04, p.129-148, maio 2008.

SACRISTÁN, Juan Gimeno. Consciência e acção sobre a prática como libertação profissional dos professores. In: Nóvoa , A. (Org.). Profissão professor. Porto, Portugal: Porto Editora, 1999. p. 63-92.

HYPOLITO, Álvaro M. Trabalho docente e profissionalização: sonho prometido ou sonho negado? In: VEIGA, Ilma P. A.; CUNHA, Isabel da (Org.). Desmistificando a profissionalização do magistério. Campinas: Papirus, 1999. p. 81-100.

IMBERNÓN, Francisco. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. São Paulo: Cortez, 2000.

KUENZER, A.; CALDAS, A. Trabalho docente: comprometimento e desistência. In: FIDALGO, F.; OLIVEIRA, M.; FIDALGO, N. (Org.). A intensificação do trabalho docente: tecnologias e produtividade. Campinas: Papirus, 2009. p. 19-48.

LIBÂNEO, José Carlos. Organização e gestão da escola: teoria e prática. Goiânia: Alternativa, 2001.

LOURO, Guacira Lopes. Mulheres na sala de aula. In: DEL PRIORE, Mary (Org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2001. p. 443-481.

LÜDKE, Menga; BOING, Luiz Alberto. Globalização e educação: precarização do trabalho docente II – caminhos da profissão e da profissionalidade docentes. Educação e Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, set.-dez, 2004.

MARTINS, A. M. A descentralização como eixo das reformas do ensino: uma discussão da literatura. Educação & Sociedade, Revista de Ciência da Educação, Cedes, ano XXII, n. 77, p. 28-48, dez. 2001.

NÓVOA, António. O passado e o presente dos professores. In: Nóvoa , A. (Org.). Profissão professor. Porto, Portugal: Porto Editora, 1999. p. 13-34.

______. Profissão professor. Porto: Porto Editora, 1995.

______. Para o estudo sócio-histórico da gênese e desenvolvimento da profissão docente. Trabalho & Educação, v. 4, p. 109-139, 1991.

OLIVEIRA, Dalila A. As reformas educacionais e suas repercussões sobre o trabalho docente. In: OLIVEIRA, Dalila A. (Org.). Reformas educacionais na América Latina e os trabalhadores docentes. Belo Horizonte: Autêntica, 2003. p. 13-35.

PACHECO, José Augusto. Políticas de avaliação e qualidade da educação. Uma análise crítica no contexto da avaliação externa de escolas, em Portugal. Avaliação, Campinas e Sorocaba, v. 19, n. 2, p. 363-371, jul. 2014.

PAPI, Silmara. Professores: formação e profissionalização. Araraquara: Junqueira & Marin, 2005.

FOCANDO A NOTÍCIA. Professores concursados superam temporários e representam mais de 60% na Paraíba. 8 de maio de 2013. Disponível em: http://www.focandoanoticia.com.br/professores-concursados-superam-temporarios-e-representammais-de-60-na-paraiba/. Acesso em: 21 mar. 2015.

TARDIF, Maurice. Os professores diante do saber: esboço de uma problemática do saber docente In: Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002. p. 31-55.

TARTUCE, Gisela Lobo B. P.; NUNES, Marina M. R.; ALMEIDA, Patrícia ristina Albieri de. Alunos do ensino médio e atratividade da carreira docente no Brasil. Cadernos de Pesquisa, v. 40, n. 140, p. 445-477, maio-ago. 2010.

TARDIF, M.; LESSARD, C. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Petrópolis: Vozes, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1981-2582.2017.1.22019

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org


Apoio Institucional – fev./dez. 2012 referente ao Edital MCTI/CNPq/MEC/CAPES Nº. 15/2011.




Educação

e-ISSN 1981-2582
ISSN-L 0101-465X


Avaliação do Qualis CAPES - 2014 
ÁREA CAPES - Educação
CLASSIFICAÇÃO - A2

E-mail: reveduc@pucrs.br



Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras.

Disponibilidade para depósito: Azul

 

Copyright: © 2006-2019 EDIPUCRS