Educação “pelas coisas”, princípio pedagógico no iluminismo de Rousseau

Almir Paulo dos Santos

Resumo


O presente artigo tem por objetivo explorar as contribuições de Rousseau para a educação na segunda infância a partir do Livro II, do Emílio. O eixo da reflexão é compreender como a educação “pelas coisas” se torna o fundamento para o fortalecimento do corpo e o refinamento dos sentidos nessa fase cognitiva da criança. O princípio pedagógico da educação “pelas coisas” é o ponto de partida do ato educativo, mas se faz necessário levar em conta o mundo do educando, seus respectivos limites e suas potencialidades, afastando-se dos vícios da sociedade. Conservar a criança na dependência das coisas é seguir a ordem da natureza. A educação “pelas coisas” deve substituir a intervenção discursiva do adulto. Sua interferência no processo da educação natural se desenvolve pela mediação entre as necessidades da criança e o cuidado do adulto.


Palavras-chave


Rousseau. Infância. Iluminismo. Educação natural.

Texto completo:

PDF

Referências


CASSIRER, E. A questão Jean-Jacques Rousseau. São Paulo: Editora Unesp, 1999.

DALBOSCO, Cláudio Almir. Educação natural em Rousseau. Das necessidades da criança e dos cuidados do adulto. São Paulo: Cortez, 2011.

DALBOSCO, Cláudio Almir. Paradoxos da educação natural no Emíle de Rousseau: os cuidados do adulto. Educ. Soc., Campinas, v. 30, n. 106, p. 175-193, jan./abr. 2009.

DALBOSCO, Cláudio Almir. Determinação racional da vontade humana e educação natural em Rousseau. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 33, n. 1, p. 135-150, jan./abr. 2007.

ESPÍNDOLA, Arlei de. Paradoxo da sociabilidade na reflexão de Rousseau. Cadernos de Ética e Filosofia Política, n. 16, p. 35-56, 1/2010,

FORTES, Luiz Roberto Salinas. O Iluminismo e os reis filósofos. 3. ed. São Paulo: Brasiliense, 1985.

GALLO, Sílvio. Jean-Jacques Rousseau: uma dupla comemoração. Pro-Posições, Campinas, v. 23, n. 3, set./dez. 2012.

HERMANN, Nadja. Virtude e amor em Rousseau. Hist. Educ., Porto Alegre, v. 17, n. 41, p. 29-42, set./dez. 2013.

MARTINS, Maurício Rebelo; DALBOSCO, Cláudio Almir. Rousseau e a primeira infância. Filosofia e Educação, Unicamp, v. 4, n. 2, out. 2012.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. Emílio ou da educação. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

SILVA, Hélio Alexandre. O Iluminismo relutante em Jean Jacques Rousseau. Philosophos, Goiânia, v. 19, n. 1, p. 35-62, jan./jun. 2014.

STRECK, Danilo Romeu. Rousseau e os paradoxos da educação latino-americana. Cadernos de Educação. Pelotas. n. 41, p. 69-83, jan./fev./abr. 2012.

WENDT, Cristiano Eduardo; DALBOSCO, Claudio Almir. Iluminismo pedagógico e educação natural em Jean-Jacques Rousseau. Educação, Santa Maria, v. 37, n. 2, p. 229-240, maio/ago. 2012.

TAYLOR, Charles. As fontes do Self. A construção da identidade moderna. São Paulo: Loyola, 1997.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1981-2582.2016.s.21898

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org


Apoio Institucional – fev./dez. 2012 referente ao Edital MCTI/CNPq/MEC/CAPES Nº. 15/2011.




Educação

e-ISSN 1981-2582
ISSN-L 0101-465X


Avaliação do Qualis CAPES - 2014 
ÁREA CAPES - Educação
CLASSIFICAÇÃO - A2

E-mail: reveduc@pucrs.br



Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras.

Disponibilidade para depósito: Azul

 

Copyright: © 2006-2020 EDIPUCRS