Narrativas das mulheres das classes populares: modos de subjetivação e educação escolar

Anderson Ferrari, Zaine Simas Mattos

Resumo


Este texto é resultado de uma pesquisa que tem como foco de análise os atravessamentos de classe e gênero nos modos de subjetivação de mulheres das classes populares. O campo de investigação é uma escola pública municipal que atendia e atende mulheres das classes populares, de maneira que foi possível trabalhar com duas gerações de famílias chefiadas por mulheres. Trabalhando com entrevistas narrativas, a pesquisa tem como foco os relatos que ressaltam as vivências delas nos modos de serem mulheres, mães, ex-alunas, representantes das classes populares e de gerações distintas no que tange às suas relações com a educação escolar. Para isso, assumiu-se uma questão motivadora, que se buscou responder neste texto: de que modos as mulheres narram as suas relações com a educação
escolar e como essas relações são atravessadas por classe e gênero? Este, o referencial teórico-metodológico do qual este artigo se aproxima, privilegiando os estudos foucaultianos por um viés pós-estruturalista.


Palavras-chave


Mulheres. Modos de subjetivação. Educação escolar. Classes populares.

Texto completo:

PDF

Referências


CARVALHO, Marília Pinto de. Mal aluno, boa aluna? Como as professoras avaliam meninos e meninas. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 9, n. 2, p. 554-574, 2001.

______. O fracasso escolar de meninos e meninas: articulação entre gênero e cor/raça. Cadernos Pagu, Campinas, v. 22, p. 247-290, 2004.

______. Gênero, raça e avaliação escolar. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 39, n. 138, p. 83-866, set./dez. 2009.

DAL’IGNA, Maria Cláudia. “Há diferença?” – Relações entre desempenho escolar e gênero. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação,Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande

do Sul. Porto Alegre: UFRGS, 2005. 167 p.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade II: o uso dos razeres. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque. 13. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1984. Vol. 2. 333 p.

______. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1993.

______. Ética, sexualidade, política. Ditos e Escritos. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006. Vol. 5.

______. A arqueologia do saber. Tradução de Luiz Felipe Baeta Neves. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008. 236 p.

______. A ordem do discurso: aula inaulgural no Collége de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio. 20. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2010. 79 p.

LARROSA, Jorge. Tremores: escritos sobre experiência. Tradução de Cristina Antunes e João Wanderley Geraldi. Belo Horizonte: Autêntica, 2014. 175 p.

PEREIRA, Fábio Hoffmann. Encaminhamentos a recuperação paralela: um olhar de gênero. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2008, 109 p.

ROSEMBERG, Fúlvia. Mulheres educadas e a educação de mulheres. In: PINSKY, Carla Bassanezi; PEDRO, Joana Maria (Org.). Nova História das Mulheres. São Paulo: Contexto, 2012, p. 333-359.

ROSEMBERG, Fúlvia; MADSEN, Nina. Educação formal, mulheres e gênero no Brasil contemporâneo. In: BARSTED, Leila Linhares; PITANGUY, Jacqueline (Org.). O Progresso das Mulheres no Brasil 2003-2010. Rio de Janeiro: Cepia; Brasília: Onu Mulheres, 2011. p. 390-434.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1981-2582.2017.1.21615

ISSN-L: 0101-465X | e-ISSN: 1981-2582


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.