Socialização familiar e formação de professoras: o gênero em questão

Adriane Knoblauch, Marieta Gouvêa de Oliveira Penna

Resumo


Apresenta dados sobre socialização familiar e profissional de professoras dos anos iniciais do Ensino Fundamental, objetivando problematizar aspectos das relações de gênero presentes nas práticas docentes e sedimentadas como cultura escolar. A análise dos dados, coletados por meio de entrevistas, fundamentada em Pierre Bourdieu, aponta para a construção da feminilidade marcada pela submissão ao universo masculino, constituindo facetas do habitus expresso na valorização da docência como atividade vocacionada e feminina, bem como em práticas disciplinadoras e moralizantes dos alunos. A memória de antigas professoras foi marcada por eventos de carinho e cuidado, orientando escolhas didáticas.


Palavras-chave


Formação docente. Habitus. Gênero.

Texto completo:

PDF

Referências


APPLE, Michael. W. Magistério e “trabalho feminino”. In: ______. Trabalho docente e textos: Economia política das relações de classe e de gênero em educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995. p. 53-73.

BOURDIEU, Pierre. Meditações Pascalianas. Trad. Sérgio Micelli. Rio de janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

BOURDIEU, Pierre. Esboço de uma teoria da prática. In: ORTIZ, R. (org.) A sociologia de Pierre Bourdieu. Trad. Paula Montero e Alicia Auzmendi. São Paulo: Olho d’água, 2003a, p. 39-72.

BOURDIEU, Pierre. É possível um ato desinteressado? In: ______. Razões práticas: Sobre a teoria da ação. Trad. Mariza Corrêa. 4. ed. São Paulo: Papirus, 2003b, p. 137-156.

BOURDIEU, Pierre. História reificada e incorporada. In: ______. O poder simbólico. Tradução de Fernando Tomaz. 6. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003c, p. 75-106.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Trad. Maria Helena Kühner. 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003d.

BOURDIEU, Pierre. Espaço social e espaço simbólico. In: BOURDIEU, P. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Trad. Mariza Corrêa. 5. ed. Campinas: Papirus, 2004a. p. 13-33.

BOURDIEU, Pierre. Espíritos e Estado: gênese e estrutura do campo burocrático (Apêndice: o espírito de família). In: ______. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Trad. Mariza Corrêa. 5. ed. Campinas: Papirus, 2004b. p. 91-135.

CARVALHO, Marília. Vozes masculinas numa profissão feminina: o que têm a dizer os professores. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 6, n. 2, p. 406-422, 1998.

CHAMON, Magda. Trajetória de feminização do magistério: ambiguidades e conflitos. Belo Horizonte: Autêntica/FCH –

FUMEC, 2005.

FERREIRA, Marcia O. V. Desconforto e invisibilidade: representações sobre relações de gênero entre sindicalistas docentes. Educação em Revista, Belo Horizonte, n. 47,p. 15-40, jun. 2008.

GIMENO SACRISTÁN, José. Poderes instáveis em educação. Trad. Beatriz Affonso Neves. Porto Alegre: Artes Médicas do Sul, 1999.

JULIA, Dominique. A Cultura Escolar como Objeto Histórico. Revista Brasileira de História da Educação, n. 1, p. 9-43, jan./jun. 2001.

LORTIE, Dan C. Schoolteacher: a sociolgical study. Chicago: Univerty of Chicago press, 1975.

LOURO, Guacira. Mulheres na sala de aula. In: DEL PRIORE, M. (Org.). História das mulheres no Brasil. 5. ed. São Paulo: UNESP/Contexto, 2001. p. 443-481.

MARCELO GARCIA, Carlos. Formação de professores para uma mudança educativa. Porto: Porto Editora, 1999.

MARIN, Alda Junqueira. Propondo um novo paradigma para formar professores a partir de dificuldades históricas na área. In: REALI, A. M. M. R.; MIZUKAMI, M. da G. N. (Org.). Formação de professores: tendências atuais. São Carlos, SP: EDUFSCAR, 1996, p. 153-165.

PEREIRA, Gilson R. de M. Servidão ambígua: valores e condição do magistério. São Paulo: Escrituras, 2001.

PEREIRA, Luiz. A escola numa área metropolitana: crise e racionalização de uma emprêsa pública de serviços. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1967.

SERÓN, Antônio G. Professorado, educação e sociedade: enfoques teóricos e estudos empíricos em sociologia do professorado. In: VEIGA, I. P. A.; CUNHA, M. I. (orgs). Desmistificando a profissionalização do magistério. Campinas: Papirus, 1999, p. 31-65.

SETTON, M.; VIANNA, C. Socialização de Gênero e violência simbólica: um diálogo com Joan Scott, Pierre Bourdieu e Bernard Lahire. In: Gomes , L.; Reis , M. dos (Orgs.). Infância: sociologia e sociedade. São Paulo: Attar Editorial, 2014. p. 34-65.

SOUSA, Cynthia. P. de et al. Memória e autobiografia: formação de mulheres e formação de professoras. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 2, p. 61-76, 1996.

SOUSA, Ione Celeste. Garotas tricolores, deusas fardadas: as normalistas em Feira de Santana, 1925 a 1945. São Paulo: Educ, 2001.

SOUZA, Rosa. F. Templos de civilização: a implantação da escola primária graduada no estado de São Paulo (1890-1910). São Paulo: Ed. Unesp,1998.

SPENCER, Dee. A. La enseñanza como um trabajo femenino. In: BIDDLE, B. J.; GOOD, T. L.; GOODSON, I. F. (orgs.). La enseñanza y los profesores I: la profesión de enseñar. Barcelona: Paidós, p. 167-218, 2000.

THIN, Daniel. Para uma análise das relações entre famílias populares e escola: confrontação entre lógicas socializadoras. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 11 n. 32, p. 211-225, maio/ago.

UNESCO. O perfil dos professores brasileiros: o que fazem, o que almejam. São Paulo: Moderna, 2004.

VARELA, Julia; ALVAREZ-URIA, Fernando. A Maquinaria escolar. Teoria & Educação, São Paulo, n. 6, p. 68-96, 1992.

VIÑAO FRAGO, António. 1998. Por una história de la cultura escolar: enfoque, cuestiones, fuentes. In: ALMUIÑA FERNANDEZ, C. et al. (org.). Culturas y civilizaciones. III Congresso de la Associación de História Contemporânea. Valladolid, Universidad de Valladolid, 1998, p. 167-183.

VIÑAO FRAGO, António. Culturas escolares y reformas (sobre la naturaleza histórica de los sistemas e instituciones educativas). Teias. Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 116-133, abr. 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1981-2582.2016.s.21420

Este periódico é membro do COPE (Committee on Publication Ethics) e adere aos seus princípios. http://www.publicationethics.org


Apoio Institucional – fev./dez. 2012 referente ao Edital MCTI/CNPq/MEC/CAPES Nº. 15/2011.




Educação

e-ISSN 1981-2582
ISSN-L 0101-465X


Avaliação do Qualis CAPES - 2014 
ÁREA CAPES - Educação
CLASSIFICAÇÃO - A2

E-mail: reveduc@pucrs.br



Licença Creative Commons
Exceto onde especificado diferentemente, a matéria publicada neste periódico é licenciada sob forma de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

 

Políticas Editoriais das Revistas Científicas Brasileiras.

Disponibilidade para depósito: Azul

 

Copyright: © 2006-2020 EDIPUCRS