Um estudo sobre escolas eficazes no Brasil e na Itália: o que realmente importa na opinião dos pais, alunos, professores e gestores

Paulo Sergio Garcia, Nelio Bizzo

Resumo


Este estudo investiga os fatores escolares que explicam o desempenho acadêmico dos estudantes sob a visão dos grupos envolvidos no processo de formação: família, alunos, professores e gestores. Um estudo de caso, coletando dados por meio de entrevistas, foi realizado em duas escolas, uma no Brasil e outra na Itália, onde seus alunos apresentaram alto rendimento acadêmico. Os resultados revelaram que não há um fator isolado que explique o desempenho e, sim, múltiplos fatores, formando um campo magnético que sustenta e apoia a aprendizagem e o rendimento dos estudantes. Doze fatores na realidade brasileira e 11 na italiana foram citados por todos os grupos como explicativos do alto desempenho, sendo o principal fator o professor. Esses dados são relevantes para os especialistas, que podem utilizá-los em formação inicial e continuada, mas, sobretudo, para os gestores, utilizando-os na melhoria de suas escolas.


Palavras-chave


Melhoria das escolas. Desempenho dos alunos. Fatores escolares.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBERNAZ, A; FERREIRA, F. H. G.; FRANCO, C. Qualidade e equidade na educação fundamental brasileira. Texto para Discussão nº 455. Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2002.

BARBOSA, M. E. F.; FERNANDES, C. A escola brasileira faz diferença? Uma investigação dos efeitos da escola na proficiência em matemática dos alunos da 4ª série. In: FRANCO, Creso (Org.). Avaliação, ciclos e promoção na educação. Porto Alegre: Artmed, 2001, p. 121-153.

BROOKE, N. SOARES, J. F. (Org.). Pesquisa em eficácia escolar: origens e trajetórias. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2008.

CASTRO, C. M.; FLETCHER, P. A escola que os brasileiros frequentaram em 1985. Rio de Janeiro: Ipea, Iplan, 1986.

CASTRO, C. M.; SANGUINETTY J. A.; MARQUES, E. A.; LACERDA, E. R.; FRANCO, M. A. C.; SILVA, M. A. Determinantes de la educación en América Latina: acceso, desempeño y equidad. ECIEL. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas (1984).

CASASSUS, J. A escola e a desigualdade. Brasília, DF: Plano, 2002.

CÉSAR, C.; SOARES, J. Desigualdades acadêmicas induzidas pelo contexto escolar. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 18, n. 1/2, p. 97-110, 2001.

COLEMAN, J. S. Equality of educational opportunity. Washington, DC: US Government Print, Office, 1966. Creswell, J. Educational research: planning, conducting, and evaluating quantitative and qualitative research. New Jersey: Merrill Prentice Hall, 2005.

CRESAS. Le handicap socioculturel en question. Paris: ESF, 1978.

CRAHAY, M. Poderá a escola ser justa e eficaz? Da igualdade das oportunidades à igualdade dos conhecimentos. Tradução de Vasco Farinha. Lisboa: Instituto Piaget, 2002.

CRAHAY, M.; BAYE, A. Existem escolas justas e eficazes? Cad. Pesq., São Paulo, v. 43, n. 150, 2013. Disponível em: . Acesso em: 27 jun. 2014.

DOUGLAS, J. W. B.; ROSS, J. M.; SIMPSON, H. R. All our future. London: P. Davies, 1968.

ESPÓSITO, Y. L.; DAVIS, C.; NUNES, M. M. R. Sistema de Avaliação do Rendimento Escolar – O modelo adotado pelo estado de São Paulo. Revista Brasileira de Educação, n. 13, p. 25-53, 2000.

FELICIO, F.; FERNANDES, R. O efeito da qualidade da escola sobre o desempenho escolar: uma avaliação do ensino fundamental no estado de São Paulo. Anais do XXXIII Encontro Nacional de Economia. Natal-RN, 2005.

FERNANDES, N. S.; SOARES, T. M.; PENA, A. C.; CUNHA, I. C. O conhecimento do professor em avaliação educacional e a proficiência do aluno. Est. Aval. Educ., São Paulo, v. 21, n. 47, p. 569-590, 2010.

FERRÃO, M. E.; BELTRÃO, K.; SANTOS, D. Políticas de não-repetência e qualidade da educação: evidências obtidas a partir da modelagem dos dados da 4ª série do SAEB-99. Estudos em Avaliação Educacional, n. 26, 2002.

FERRÃO, M. E.; BELTRÃO, K. I.; FERNANDES, C. Aprendendo sobre Escola Eficaz – evidências do Saeb-99. INEP/MEC, 2002.

FLETCHER, P. À procura do ensino eficaz. Relatório de pesquisa, PNUD/MEC/SAEB, 1997.

FLICK, U. Uma introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

FRANCO, C.; BONAMINO, A. A pesquisa sobre características de escolas eficazes no Brasil: breve revisão dos principais achados e alguns problemas em aberto. Revista Educação Online, Rio de Janeiro, n. 1, 2005. Disponível em: http://www. maxwell.lambda.ele.puc-rio.br>. Acesso em: 10 fev. 2013.

FRANCO, C.; SZTAJN, P.; ORTIGÃO, M. I. Mathematics teachers, reform, and equity: results from the Brazilian National Assessment. Journal for Research in Mathematics Education, Reston, Virginia, v. 38, n. 4, 393-419, 2007.

FULLAN, M.; HARGREAVES, A. A escola como organização aprendente: buscando uma qualidade para a Educação. Porto Alegre: Artmed, 2000.

GOMES, C. A. A escola de qualidade para todos: abrindo as camadas da cebola. Ensaio: Avaliação de Políticas Públicas Educacionais, n. 13, p. 281-306, jul.-set. 2005.

KLEIN, R.; FONTANIVE, N. S. Gestão de resultados e de aprendizagem. Apresentado no XIV Encontro Nacional de Diretores (Fundação Bradesco). Gestão escolar: as articulações do diretor, São Paulo, 2010. Instituto Nacional de Pesquisas Inep). Censo da Educação Básica, 2015.

LEE, V. E.; BRYK, A. S.; SMITH, J. The organization of effective secondary schools. In: DARLING-HAMMOND, L. Review of Research in Education, Washington, DC, American Educational Research Association, p. 171-267, 1993. LEE, V.; FRANCO, C.; ALBERNAZ, A. Quality and equality in Brazilian secondary schools: a multilevel cross-national school effects study. Annual Meeting of the American Educational Research Association, San Diego, 2004.

MACHADO SOARES, T. Influência do professor e do ambiente em sala de aula sobre a proficiência alcançada pelos alunos avaliados no Simave-2002, 2004.

MELLA, O. (Org.). Qualitative study of schools with outstanding results in seven Latin American countries. Santiago, Chile: Unesco, Latin American Laboratory for Assessment of the Quality of Education, 2002.

MEURET, D. Établissement scolaires: ce qui fait la différence. L’Année Sociologique, Paris, v. 50, n. 2, p. 545-556, 2000. Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Résultats du Pisa 2009. Surmonter le milieu social: l’égalité des chances et l’équité du rendement de l’apprentissage, 2. Paris: OCDE. 2011.

PAUL, J. J.; BARBOSA, M. L. A qualidade dos professores como fator de eficácia escolar. REICE – Revista Electrónica Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio em Educación, v. 5, n. 5e, 2007.

PHILLIPS, D. Learning from elsewhere in education: some perennial problems revisited with reference to British interest in RACZYNSKI, D.; MUÑOZ, G. Efectividad escolar y cambio educativo en condiciones de pobreza en Chile. Santiago de Chile: Ministerio de Educación, 2005.

RUTTER, M. Fifteen thousand hours: secondary schools and their effects on children. Cambridge: Harvard University Press, 1979.

SAMMONS, P.; HILLMAN, J.; MORTIMORE, P. Key Characteristics of effective schools: a review of school effectiveness research. London: Office for Standards in Education [OFSTED], 1995.

SÁTYRO, N.; SOARES, S. A infraestrutura das escolas brasileiras de ensino fundamental: um estudo com base nos censos escolares de 1997 a 2005. Brasília: Ipea, 2007. (Textos para Discussão, 1267).

SAUVY, A.; GIRARD, A. Les diverses classes sociales devant l’enseignement. Population, 2. Reprisin INED (1970), Population et l’enseignement. Paris: PUF, 1965. p. 233-260.

SCARTEZINI, R. A.; VIANA, T. de C. O efeito professor e sua transmissibilidade. In: COLÓQUIO DO LEPSI IP/FE-USP, 2010, São Paulo. Anais... São Paulo: USP, 2010. Disponível em: . Acesso em: 30 set. 2013.

SCHEERENS, J. Improving school effectiveness. Paris: Unesco, International Institute for Educational Planning, 2000.

SCHEERENS, J.; BOSKER, R. The foundations of educational effectiveness. Oxford: Pergamon, 1997.

SCHIEFELBEIN, E.; SIMMONS, J. Os determinantes do desempenho escolar: uma revisão de pesquisas nos países em desenvolvimento. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 35,p. 53-72, nov. 1980.

SOARES, J. F. Qualidade e eqüidade na educação básica brasileira: a evidência do SAEB-2001. Archivos Analíticos de Políticas Educativas, v. 12, n. 38, 2004. Disponível em: . Acesso em: 21 maio 2012.

SOARES, S.; RAZO, R.; FARIÑAS, M. Perfil estatístico da educação rural: origem socioeconômica desfavorecida, insumos escolares deficientes e resultados inaceitáveis. In: BOF, Alvana Maria (Org.). A educação no Brasil rural. Brasília: Inep, 2006, p. 47-68.

SOARES, J. F.; ALVES, M. T. Desigualdades Raciais no Sistema Brasileiro de Educação Básica. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 29, p.147-165, 2003. SOARES, J. F.; CÉSAR, C. C.; MAMBRINI, J. Determinantes de desempenho dos alunos o ensino básico brasileiro: evidências do SAEB de 1997. In: Franco, C. (Org.). Avaliação, ciclos e promoção na educação. Porto Alegre: Artmed, 2001. p. 121-153.

SOARES NETO, J. J. JESUS, G. R.; KARINO, C. A.; ANDRADE, D. F. Uma escala para medir a infraestrutura escolar. Est. Aval. Educ., São Paulo, v. 24, n. 54, p. 78-99, jan.-abr. 2013.

SOARES, J. F.; MAMBRINI, J.; PEREIRA, L. R.; ALVES, M. T. G. Fatores associados ao desempenho em língua portuguesa e atemática: evidência do SAEB – 2001. Minas Gerais, UFMG, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.15448/1981-2582.2017.1.20063

ISSN-L: 0101-465X | e-ISSN: 1981-2582


Exceto onde especificado diferentemente, aplicam-se à matéria publicada neste periódico os termos de uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, que permite o uso irrestrito, a distribuição e a reprodução em qualquer meio desde que a publicação original seja corretamente citada.